Atenção

Momento decisivo do mercado hoje: “teste” de Trump no Congresso já tem hora para acontecer

Após ser adiado na véspera, votação do plano de Trump para reforma da saúde foi confirmado para esta tarde

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O assessor de imprensa da Casa Branca, Sean Spicer, confirmou nesta sexta-feira (24) que a Câmara dos Deputados deve votar o projeto crucial de reforma da saúde nos Estados Unidos às 16h30 (horário de Brasília). Spicer disse em sua coletiva que o presidente Donald Trump “deixou tudo no campo quando se trata deste projeto de lei”.

O porta-voz da Casa Branca fez as declarações momentos após a visita do presidente da Câmara, Paul Ryan, em meio às especulações de que os republicanos não conseguiram reunir os 215 votos que precisam para aprovar o projeto. Pelo menos 32 republicanos disseram que vão votar “não”, ou estão inclinados a votar desta forma, segundo informações da rede NBC News, mas as negociações continuam.

Em meio ao recuo de republicanos conservadores e moderados, Trump exigiu que a Câmara votasse a lei ainda nesta sexta-feira. Este tem sido o evento que está guiando o mercado nos EUA desde o início da semana e após o adiamento na véspera, todas as expectativas ficaram para hoje. No Brasil, o dólar tem sido o maior impactado por este impasse. Bovespa e Wall Street fecham às 17h e não se sabe se haverá uma decisão da votação até esta hora.

Aprenda a investir na bolsa

Questionado por um repórter se o presidente estaria confortável caso o Obamacare continue no caso do projeto dos republicanos não passar, Spicer foi enfático: “não, ele não está”. “Ele deixou claro que este é o nosso momento, é nossa oportunidade de fazer isto, mas agora cabe aos congressistas tomar essa decisão se querem ou não fazer parte desse esforço para revogar o Obamacare”, disse Spicer.

Este está sendo considerado o primeiro grande teste de Trump desde que assumiu, já que mostrará seu poder no Congresso para aprovar as medidas que anunciou durante sua campanha. Caso perca a votação, o presidente deverá ter bastante dificuldade para manter suas propostas originais em outras áreas.