STF

Ministros do STF indicam: recursos sobre o impeachment de Dilma não darão em nada

Corte deve decidir que decisão do Senado é soberana e não deve aceitar recursos nem pedindo anulação do impeachment nem que anule a segunda votação

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Uma enxurrada de recursos invadiu o STF (Supremo Tribunal Federal) logo após o impeachment da agora ex-presidente Dilma Rousseff: uns pedindo que a votação que levou à cassação da petista fosse anulada e a maioria pedindo que a segunda votação, que manteve os direitos políticos dela deixassem de valer. 

Contudo, informam os jornais Folha de S. Paulo e o Estado de S. Paulo, os ministros da Corte – apesar de mostrarem desconforto com a decisão de “fatiar” o artigo 52 da Constituição e manter a habilitação de Dilma para cargos públicos – indicam que ambos os recursos “não darão em nada”. 

De acordo com a Folha, a  solução será a “pacificação” fora do tribunal, prenuncia um deles. Já o Estadão destaca que a corte deve decidir que os senadores eram os “juízes naturais” do impeachment e, por isso, sua decisão é soberana e tem de prevalecer, citando três ministros que aceitaram conversar sobre o assunto reservadamente. A outra opção, de rever a decisão, levaria a instabilidade política e institucional mais prejudicial ao país, disseram os magistrados ao jornal. 

Aprenda a investir na bolsa