Ministros discutem detalhes do fornecimento de energia para Argentina

Volume a ser cedido ao país vizinho pode ser definido nesta reunião; energia fornecida será devolvida ainda neste ano

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em mais um capítulo da discussão sobre o fornecimento de energia elétrica pelo Brasil à Argentina, o ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, se reúne nesta sexta-feira (2) com o ministro do Planejamento, Investimentos e Serviços da Argentina, Julio de Vido.

O encontro deve definir detalhes do acordo pelo qual o Brasil enviará energia ao país vizinho entre maio e agosto deste ano, que foi firmado entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Cristina Kirchner e oficializado por decreto presidencial baixado durante a semana.

O volume de energia a ser fornecido, que pode ser definido ainda nesta reunião, vai depender do cálculo da quantidade que os argentinos precisam e do quanto o Brasil pode oferecer. De acordo com o Julio de Vido, o volume necessário depende principalmente do rigor do inverno em seu país.

Energia emprestada

Aprenda a investir na bolsa

A energia que será enviada ao país vizinho provém de térmicas a gás ou de hidrelétricas – exceto da Usina de Itaipu, cujo produto só pode ser fornecido para o Brasil e Paraguai.

Cabe lembrar que, pelo acordo, a Argentina terá que “devolver” a energia fornecida pelo Brasil entre setembro e novembro deste ano, na mesma quantidade.

“Não é moeda de troca”

Segundo o assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, o fornecimento de energia do Brasil à Argentina não tem como objetivo tentar solucionar a suspensão das exportações de trigo argentino ao Brasil.