Ministro da Agricultura do Japão renuncia, após casos de arroz contaminado

A venda de arroz contaminado para restaurantes e hospitais também causou a renúncia do vice-ministro da Agricultura

SÃO PAULO – O ministro da Agricultura japonês, Seiichi Ota, renunciou ao cargo nesta sexta-feira (19), assumindo a responsabilidade pelos casos de arroz contaminados, que foram utilizados em restaurantes, hospitais e outros locais do país.

A renúncia foi aprovada pelo Gabinete japonês, e o secretário-geral do órgão, Nobutaka Machimura, foi indicado como substituto de Ota.

Menos de dois meses no cargo

O ministro havia assumido o cargo no início de agosto, após ser indicado pelo primeiro-ministro Yasuo Fukuda, na reforma em que este fez em seu Gabinete ministerial.

O caso do arroz contaminado também levou à renúncia do vice-ministro de Agricultura, Toshiro Shirasu, que inicialmente afirmava que o Ministério não tinha culpa sobre o acontecimento e que a responsabilidade era das indústrias que comercializaram o produto.

Arroz contaminado

Ota sofreu muitas críticas por não saber lidar com o escândalo do arroz contaminado, descoberto no início do mês. Grandes quantidades do alimento contaminado com pesticidas foram importadas da China para a elaboração de cola e outros produtos industriais, mas indústrias o comercializaram para restaurantes, escolas e hospitais.

Até o momento, nenhum problema de saúde decorrente disso foi reportado. Porém, a imagem do ministro ficou abalada, por não ter detectado o problema, apesar das fiscalizações que faz no setor.