Governo federal recomenda troca de distribuidora de energia no Amazonas

Relatório do MME analisou situação de concessionárias que sofrem com desequilíbrios, incluindo a Light e a Enel Rio

Reuters

Publicidade

O Ministério de Minas e Energia (MME) entende que há necessidade de troca do concessionário de distribuição de energia no estado do Amazonas, que enfrenta graves desequilíbrios financeiros e dívidas bilionárias, e ressaltou que mudanças legislativas são importantes para garantir a sustentabilidade da concessão.

Segundo relatório de um grupo de trabalho da pasta, uma ação é necessária porque a situação da Amazonas Energia deve ser agravada neste ano, com o término de medidas de alívio definidas no passado.

Após cinco anos no comando, o grupo privado que adquiriu a distribuidora da Eletrobras (ELET3;ELET6) não conseguiu melhorar a concessão do ponto de vista econômico-financeiro e operacional. O diagnóstico consta de relatório publicado na quinta-feira (22), elaborado por um grupo que analisou a situação das distribuidoras de energia do país que sofrem com desequilíbrios devido a questões estruturais de suas concessões: Amazonas Energia, Light (LIGT3) e Enel Rio.

Masterclass

O Poder da Renda Fixa Turbo

Aprenda na prática como aumentar o seu patrimônio com rentabilidade, simplicidade e segurança (e ainda ganhe 02 presentes do InfoMoney)

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

No caso da Amazonas, o relatório apontou a necessidade de medidas para tratar da continuidade dos serviços uma vez que, neste ano, expiram alguns comandos legais e contratuais definidos no passado que vinham trazendo alívios de caixa à distribuidora.

Pelos cálculos apresentados, haverá déficits bilionários para a empresa com o fim de um conjunto de flexibilizações envolvendo valores reconhecidos nas tarifas a título de custos operacionais e perdas não técnicas e reembolsos da Conta de Consumo de Combustíveis (CCC). Foram estimados déficits de R$ 1,98 bilhão em 2024, R$ 2,68 bilhões em 2025 e R$ 2,77 bilhões em 2026.

“A título de comparação, a Parcela B (receita de distribuição) da Amazonas Energia é de R$ 1,27 bilhão por ano… ou seja, o déficit projetado para os próximos anos é totalmente incompatível com a geração de caixa potencial da concessão”, diz o documento.

Continua depois da publicidade

Período de transição

Na visão do governo, que avalia alternativas para uma troca do controle da concessão, serão necessárias novas medidas legislativas para garantir um “período de transição” para que o futuro concessionário tenha condições de alcançar a sustentabilidade econômica e financeira da concessão.

“Entre as mudanças, destaca-se o reembolso da CCC e a definição de referenciais regulatórios de perdas não técnicas, custos operacionais e receitas irrecuperáveis que permitam a assunção do serviço por novo concessionário ou novo controlador”, diz o relatório.

Outra previsão é a de que os custos com a contratação da distribuidora possam ser arcados pela Conta de Energia de Reserva (Coner), com pagamentos sendo efetuados pelo Encargo de Energia de Reserva (EER).

A pasta apontou ainda três alternativas possíveis para garantir um novo concessionário, mas não bateu o martelo: caducidade e licitação da concessão com a indenização dos ativos; caducidade e licitação da concessão em conjunto com a transferência de controle societário da distribuidora; e transferência do controle sem a necessidade de se decretar a caducidade.

Privatização em 2018

A Amazonas Energia foi privatizada pela Eletrobras em 2018, em leilão de lance único apresentado pelo grupo Oliveira Energia. A distribuidora foi arrematada pelo valor simbólico de R$ 50 mil, mas a empresa teve que assumir pesadas dívidas, totalizando R$ 8,9 bilhões.

Cinco anos depois, o governo e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) constataram que a Amazonas Energia não foi capaz de reverter os problemas da concessão que, além de deficitária, é considerada complexa do ponto de vista operacional, por envolver região de floresta e atendimento a comunidades isoladas.

Segundo o relatório do ministério, a concessão enfrenta uma “combinação de uma geração de caixa negativa, com um nível de endividamento elevado e crescente, ou seja, numa situação de insustentabilidade”.

Em setembro de 2023, a dívida líquida da Amazonas Energia alcançava R$ 9,6 bilhões, dos quais 80% concentrados com Eletronorte e Eletrobras. Com a Eletronorte, a Amazonas Energia está inadimplente com valores de compra de energia, mas obteve decisão judicial para suspender a dívida.

A Aneel recomendou ao governo a caducidade da concessão, após a empresa atual não ter conseguido fechar um plano adequado de transferência do controle. O governo também deve apresentar relatórios semelhantes para a Light e Enel Rio.

“Quanto às propostas de medidas visando à sustentabilidade das concessões do estado do Rio de Janeiro, por estarem intrinsecamente relacionadas ao processo de diretrizes para o tratamento de concessões de distribuição de energia elétrica vincendas entre 2025 e 2031 conduzido pelo MME, estas serão encaminhadas num segundo relatório”, diz o documento.

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.