Debate

Militares mostram apoio a comandante do exército após polêmica: “tenho a espada ao lado e aguardo suas ordens”

O general José Luiz Dias Freitas disse que Villa Bôas "mais uma vez" expressa "preocupações e anseios dos cidadãos brasileiros que vestem fardas"

arrow_forwardMais sobre
(Wikicommons)

SÃO PAULO – Diversos militares passaram a se expressar nas redes sociais após a fala general-comandante Eduardo Villas Bôas se mostrando contrário à impunidade e dizendo que o Exército “se mantém atento às suas missões institucionais”.

Uma das principais declarações foi a do general Paulo Chagas, que também é pré-candidato ao governo do Distrito Federal. Pelo Twitter, ele prestou continência ao comandante afirmou que tem “a espada ao lado, a sela equipada, o cavalo trabalhado e aguardo suas ordens”.

Já o general José Luiz Dias Freitas, Comandante Militar do Oeste, disse que Villa Bôas “mais uma vez” expressa “preocupações e anseios dos cidadãos brasileiros que vestem fardas”. O General Antonio Miotto, do Comando Militar do Sul, por sua vez, se disse leal ao general. “Brasil acima de tudo!!! Aço!!!”, afirmou pelo Twitter.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

Na noite de terça-feira, pelo Twitter, Villas Bôas fez duas postagens: “Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do País e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?” e “Asseguro à que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais”.

A reação foi mista, com muitas pessoas apoiando a fala do general, enquanto outras fizeram duras críticas por conta do posicionamento do Exército em relação a eventos que têm mobilizado o país. Nesta quarta, o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Nivaldo Luiz Rossato, também se expressou, dizendo que o que menos se precisa neste momento é “tentar impor nossa vontade“.