MELHORES DA BOLSA 2020 AO VIVO Do Zero ao Topo: CEOs de Totvs, Stefanini e Locaweb discutem o papel do setor de tecnologia no mercado brasileiro

Do Zero ao Topo: CEOs de Totvs, Stefanini e Locaweb discutem o papel do setor de tecnologia no mercado brasileiro

Não vai acontecer

Michel Temer diz que é “impensável” o impeachment de Dilma Rousseff

"Temos que ter tranquilidade institucional no país. Quanto menos se falar desse assunto, maior a tranquilidade institucional", disse o vice-presidente em Lisboa

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em Lisboa para falar sobre assuntos econômicos, o vice-presidente Michel Temer (PMDB) afirmou ser “impensável” o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) e a possibilidade de ele assumir o cargo. “Temos que ter tranquilidade institucional no país. Quanto menos se falar desse assunto, maior a tranquilidade institucional”, disse ele à jornalistas. Questionado sobre sua relação com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Temer declarou que “são as melhores possíveis” e que ambos são companheiros de ação.

Em entrevista ao iG na última sexta-feira, Temer ainda comentou sobre o relatório do TCU (Tribunal de Contas da União) que apontou descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal pela equipe econômica de Dilma por ter maquiado as contas de 2014. Para o vice, trata-se apenas de um relatório que será submetido a um processo muito longo, com “três a quatro anos para chegar ao final”. Ele diz não acreditar que o relatório dará “ensejo jurídico para um pedido de impeachment”.

Nesta segunda, Temer disse que Cunha “acabou declarando algo extremamente útil, que não cabia a hipótese do impedimento”. Ainda segundo o vice-presidente, esta é a posição do PMDB e Cunha a está retratando publicamente. Sobre as manifestações, o peemedebista disse que as pessoas estão nas ruas pedindo melhoria e que o governo age para atender às reivindicações.

Aprenda a investir na bolsa

O vice-presidente Michel Temer chefia a delegação oficial brasileira em viagem a Portugal e à Espanha entre esta segunda-feira, 20, e quinta-feira, 23. A missão, segundo nota distribuída pela Secretaria Especial de Portos (SEP), terá visitas de Estado aos principais líderes dos dois países, além de encontros de negócios com investidores e fóruns empresariais. O ministro de Portos, Edinho Araújo, também participa da missão e deverá assinar termos de cooperação para troca de experiências para aumentar a competitividade dos portos brasileiros.

Em Portugal, o vice-presidente se reúne com o presidente Aníbal Cavaco Silva, com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, e com o vice-primeiro-ministro português, Paulo Portas. Na Espanha, as audiências serão com o rei Felipe VI, com o presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy, e o presidente do parlamento, Jesús Posada.

O comércio entre Brasil e Portugal atingiu, em 2014, US$ 2,1 bilhões, dos quais US$ 1 bilhão de exportações brasileiras. Há negócios importantes envolvendo os dois países, segundo destaca a nota. Por exemplo, o governo português vem demonstrando interesse na aquisição do KC-390, novo modelo de avião cargueiro da Embraer. Também existe a possibilidade de participação de empresas brasileiros na privatização da TAP, companhia aérea portuguesa, com atuação expressiva na conexão entre Brasil e Europa.

Quanto à Espanha, a SEP ressalta que o país detém o segundo maior estoque de investimentos produtivos no Brasil. Empresas espanholas têm demonstrado interesse em investir nas áreas de transporte marítimo, aviação civil, exploração do pré-sal, projetos relativos aos Jogos Olímpicos e do Programa de Investimentos em Logística. “O intercâmbio entre os dois países chegou a US$ 7,1 bilhões no ano passado, com US$ 3,2 bilhões de exportações brasileiras”, informa a Secretaria. “A península ibérica é vista como a porta de entrada para a Europa para o Brasil, sendo estratégica a relação com esses dois países”, acrescenta.