Protestos

Metade dos brasileiros acha que manifestações de domingo não serão pacíficas

O levantamento feito entre os dias 6 e 8 de março mostra que 47% dos entrevistados acreditam que pode haver tumultos nos protestos agendados ao redor do país

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O PT pediu oficialmente para que os militantes do partido não façam manifestações no próximo domingo (13) e também mudou a data de seu ato pró-governo para dia 18. Apesar disso, uma pesquisa divulgada pela Ipsos nesta quinta-feira (10) mostra que quase metade dos brasileiros acredita que as manifestações este fim de semana não serão pacíficas. Foram ouvidos mil homens e mulheres de todas as classes sociais em oito cidades brasileiras. A margem de erro é de 3%.

O levantamento feito entre os dias 6 e 8 de março mostra que 47% dos entrevistados acreditam que pode haver tumultos nos protestos agendados ao redor do país. A apreensão é maior no Rio de Janeiro, onde 55% dos entrevistados disseram não acreditar na possibilidade de uma manifestação pacífica. Em São Paulo, quatro em cada dez pessoas ouvidas disseram temer tumulto.

O levantamento mostrou que sete em cada dez brasileiros moradores dos principais centros urbanos do país sabem dos protestos agendados para domingo. “É interessante que este conhecimento não varia muito por região, ou seja, não é um movimento localizado em São Paulo, sequer no Sudeste, mas um movimento urbano nacional”, afirma Dorival-Mata Machado, diretor de Public Affairs da Ipsos no Brasil.

PUBLICIDADE

Porém, o temor de violência pode afetar os protestos. “Vai contra as manifestações a insegurança em relação à possibilidade de violência, principalmente em cidades onde tiveram grandes conflitos, como o Rio de Janeiro. Tirando a capital carioca, a propensão a participar é semelhante à das últimas grandes manifestações do ano passado”, afirma.

Especiais InfoMoney:

Como o “trader da Gerdau” ganhou meio milhão de reais na Bovespa em 2 meses 

InfoMoney faz nova atualização na Carteira Recomendada de março; confira

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa