Mesmo após anúncio de cessar fogo na Líbia, ataques contra civis continuam

Em Misrata, cidade próxima a Trípoli, ao menos 12 pessoas foram mortas nesta sexta-feira; Obama exige paz na região

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Mesmo após o anúncio de cessar fogo da Líbia, a situação no país não parece ter melhorado. Os ataques aos civis ainda persistem e as forças favoráveis ao ditador Muammar Gaddafi continuam gerando o caos e a opressão nas regiões dominadas por rebeldes. 

Mais cedo, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, exigiu imediata paralisação dos ataques de forças leais ao governo contra os manifestantes. Porém, muitos moradores de Misrata, cidade próxima da capital Trípoli, afirmaram que os ataques continuaram ao longo do dia, informando inclusive que as forças do governo usaram artilharia pesada contra os civis.

De acordo com informações do Wall Street Jounal, um médico atuante em um complexo clínico de Misrata – que foi transformado em hospital de campo – relatou ao mínimo 12 mortes nesta sexta-feira (18), incluindo 4 soldados do governo. Segundo ele, tiros são disparados aleatoriamente contra os cidadãos, por parte das forças leais ao governo, que também está proibindo a ação das ambulâncias em favor dos civis feridos.

Aprenda a investir na bolsa

Obama exige cessar fogo
Ainda nesta sexta-feira, Obama afirmou que uma coalizão internacional será formada se Gaddafi não atender às imposições do “cessar fogo”, com a possibilidade de ações militares no país. A secretária de Estado norte-americano, Hillary Clinton, afirmou retificou a fala de Obama e disse que espera por ações por parte do governo líbio.

O ministro de Relações Exteriores, Moussa Koussa, afirmou que todos os esforços serão feitos para obeder às resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Porém, ainda restam dúvidas de quão extensa será a obediência às normas exigidas internacionalmente, uma vez que a maioria das áreas sob conflito está fora dos limites de jornalistas e da equipe humanitária das Nações Unidas.