Maior otimismo

Mercado vê economia maior com reforma da Previdência e aprovação em 4 meses na Câmara

Investidores e economistas agora estimam que a reforma levará a uma economia de cerca de R$ 680 bilhões em 10 anos, segundo mediana de pesquisa feita pela Bloomberg com 47 instituições financeiras; estimativa anterior era de economia de R$ 630 bilhões

(Bloomberg) – Agentes do mercado financeiro elevaram suas estimativas para a economia do governo com a reforma da Previdência, apostando que o comprometimento dos parlamentares com o tema deve ofuscar as dificuldades que a administração do presidente Jair Bolsonaro encontra em formar uma maioria no Congresso.

Investidores e economistas agora estimam que a reforma – cuja aprovação é amplamente esperada para o terceiro trimestre do ano – levará a uma economia de cerca de R$ 680 bilhões em 10 anos, segundo mediana de pesquisa feita pela Bloomberg com 47 instituições financeiras. A pesquisa anterior, feita em abril, mostrava uma expectativa de economia de R$ 630 bilhões. A expectativa atual significa 57% da proposta original enviada pelo governo.

Na avaliação de Mauricio Oreng, estrategista sênior para Brasil do banco Rabobank, o ambiente político segue tensionado. “Mas, dada a extrema necessidade de passar a reforma e o tamanho da deterioração que pode seguir uma decepção neste tema, ainda acho que uma reforma relativamente eficaz acaba passando no 2º semestre”, disse.

PUBLICIDADE

Confira a compilação das projeções do mercado para a reforma:

InstituiçãoAprovação na CâmaraEconomia em 10 anos
AllianceBernstein4º trimestre>R$ 600 bilhões
ARX InvestimentosAgosto R$ 600 bi- R$ 700 bi
Banco FatorComeço de dezembroR$ 750 bi
Banco FibraSetembro R$ 800 bi- R$ 1 tri
Banco Votorantim Julho R$ 700 bi
Bank of America Merrill LynchAgosto/setembro>R$ 700 bi
Barclays Agosto R$ 600 bi-R$ 700 bi
BBVA4º trimestreR$ 660 bi
BlackRock 4º trimestreR$ 500 bi-R$ 700 bi
Bloomberg EconomicsSetembro R$ 600 bi
BNP ParibasAgosto R$ 500 bi-R$ 600 bi
Bradesco Julho/agosto R$ 600 bi-R$ 900 bi
Brown Brothers Harriman 4º trimestre R$ 600 bi
Citigroup 3º trimestre R$ 500 bi
Credit Agricole3º trimestre  R$ 600 bi-R$ 700 bi
Credit Suisse2º semestre R$ 750 bi
Deltec Asset Management Julho/agostoR$ 700 bi -R$ 800 bi
Franklin Templeton3º trimestre R$ 700 bi
Goldman Sachs Setembro R$ 900 bi
Ibiuna Investimentos Fim de setembro R$ 850 bi
ING 3º trimestreR$ 700 bi
Invesco 2º semestre > R$ 700 bi
Itaú Unibanco3º trimestreR$ 670 bi-R$ 990 bi
JPMorgan 3º trimestreR$ 700 bi
Legacy Capital3º trimestre R$ 800 bi
MB Associados Fim de junho R$ 700 bi-R$ 800 bi
Mizuho 3º trimestreR$ 600 bi-R$ 700 bi
Morgan Stanley 2º semestreR$ 500 bi-R$ 600 bi
MUFG Agosto R$ 500 bi-R$ 600 bi
Natixis Agosto R$ 600 bi
Novus CapitalJulho R$ 800 bi
Rabobank Julho/AgostoR$ 800 bi
RBC Capital Markets4º trimestreR$ 300 bi-R$ 400 bi
Rio BravoJulho/AgostoR$ 700 bi-R$ 800 bi
Rosenberg Agosto R$ 700 bi
Safra Agosto R$ 700 bi-R$ 800 bi
Santander Brasil3º trimestreR$ 700 bi
Schroders fim 3º trim/começo 4º trimR$ 600 bi
SulAmerica Investimentos3º trimestreR$ 750 bi
TD Securities4º trimestreR$ 500-R$ 600 bi
Tendências 3º trimestreR$ 640 bi
TRUXT Setembro R$ 600 bi
UBS 3º trimestreR$ 600 bi-R$ 800 bi
Verde Asset 3º trimestreR$ 700 bi-R$ 800 bi
Vinland SetembroR$ 700 bi
Western AssetAgostoR$ 600 bi-R$ 700 bi
Consenso/Mediana3º trimestreR$ 680 bilhões

Insira seu e-mail abaixo e receba com exclusividade o Barômetro do Poder, um estudo mensal do InfoMoney com avaliações e projeções das principais casas de análise política do país: