Mercadante fica na liderança do PT no Senado após pedido do “companheiro” Lula

Líder da bancada do partido na Casa, senador disse ter recebido telefonemas do presidente, de Berzoini e de José Dirceu

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Um dia após anunciar sua renúncia, “em caráter irrevogável”, à liderança do PT (Partido dos Trabalhadores) no Senado, Aloizio Mercadante volta atrás em sua decisão, em respeito ao pedido do presidente Luís Inácio Lula da Silva.

“Dificuldades e divergências fazem parte da caminhada, fazem parte da história. Em nome dessa caminhada, fique na liderança. Esse é um pedido sincero e verdadeiro do companheiro Luís Inácio Lula da Silva” disse o presidente em carta enviada ao senador. “Não tenho como dizer não a um pedido do meu companheiro” disse Mercadante, relembrando os tempos de criação do partido.

O senador entrou em atrito com a direção nacional do partido por conta do episódio das acusações contra o presidente do Senado, José Sarney. Ele era a favor da investigação, enquanto que a legenda, presidida por Ricardo Berzoini, recomendou que os senadores do partido votassem a favor do arquivamento.

Aprenda a investir na bolsa

“As lutas que teremos pela frente são muito maiores que este episódio. E as divergências devem ser debatidas democraticamente no partido. Afinal, nós que há 30 anos construímos o PT, não devemos tratar cada episódio como se fosse definidor das nossas vidas” afirmou Berzoini, que telefonou para Mercadante pedindo que continuasse na liderança.

O líder do PT no Senado disse também ter recebido uma ligação de José Dirceu, “com quem não falava há muito tempo”.

Repercussão

Recém saída do partido dos trabalhadores, a senadora Marina Silva disse que a decisão de Aloizio Mercadante não apaga a crise na casa legislativa. “O PT tem uma grave confusão entre partido e governabilidade. E entre governabilidade legítima e a qualquer custo. E isso não é bom para a democracia” disse a ex-ministra do Meio Ambiente, que nesta semana se desligou do PT, ressaltando que todos os partidos têm problemas, mas o PT não pode renegar sua trajetória.

O deputado Fernando Gabeira, por sua vez, postou em sua página no Twitter: “Coitado do Mercadante, até o irrevogável é revogável”.

Por fim, o senador do PDT (Partido Democrático Trabalhista) disse que Aloizio Mercadante “é um líder sonâmbulo no Senado”, e que a casa se tornou um “anexo do Palácio do Planalto”.