Política

Mendonça Filho: governo vai jogar todas as forças para aprovar a Previdência

Estamos empenhados para que a gente tenha, se possível, a totalidade do Democratas apoiando", afirmou, ressaltando que a questão estará em discussão na Executiva nacional do partido

Aprenda a investir na bolsa

O ministro da Educação, Mendonça Filho, disse nesta segunda-feira, 24, que a reforma da Previdência é fundamental e que o governo “vai jogar todas as forças para aprová-la”. Mendonça, que foi presidente do DEM e tem mandato de deputado, será um dos ministros a serem exonerados para votar pela reforma. A decisão foi tomada pelo presidente Michel Temer em reunião ministerial nesta tarde.

Mendonça disse ainda acreditar que muitos partidos devem aprovar fechamento de questão a favor da reforma e que está empenhado para que o DEM caminhe nessa direção. “Estamos empenhados para que a gente tenha, se possível, a totalidade do Democratas apoiando”, afirmou, ressaltando que a questão estará em discussão na Executiva nacional do partido. O ministro disse ainda que o DEM foi unânime na votação da urgência da reforma trabalhista e que acredita que isso deve “se repetir”.

Pouco antes de o PSB anunciar o fechamento de questão, porém, contra a reforma, Mendonça afirmou ainda que acredita que muito partidos deverão adotar esse princípio de votar em bloco. “A maioria esmagadora do Parlamento deve aprovar a reforma da Previdência, porque é ela é vital pra que o Brasil se recupere”, afirmou.

Aprenda a investir na bolsa

Calendário

Mendonça evitou cravar uma data para que a reforma da Previdência seja apreciada no Congresso. Depois de seguidos atrasos no cronograma, Mendonça disse que não cabe ao executivo fixar datas. “O governo obviamente vai analisar o melhor momento”, disse, destacando que a decisão cabe ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Em função da forte resistência no Congresso ao texto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência, Maia já admitiu que pode adiar a votação inicialmente prevista para o dia 8 de maio. “Se possível vamos votar a matéria no dia 8 de maio, se não for possível, a partir do dia 15”, disse ele na sexta-feira em Foz do Iguaçu, onde participa do 16º Fórum Empresarial organizado pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide).

Esforço

Na reunião com os ministros políticos, o presidente Michel Temer reiterou que os projetos de reforma tanto da Previdência quanto a trabalhista são de interesse do governo como um todo, e por isso mesmo, todos têm de se dedicar de corpo e alma à sua aprovação. A decisão de que todos os ministros políticos deixem sem cargo, às vésperas da reforma da Previdência, por 24 ou 48 horas, tem por objetivo deixar claro que esta não é uma decisão de um ou outro titular de pasta voltar para Câmara para votar, por causa de um problema local. Mas que esta é uma decisão de governo porque o projeto é de interesse de todos e todos têm de se mobilizar igualmente.

Paralelamente, o presidente Temer pediu a todos que façam os seus mapas de votação para ajudar o governo a mapear a previsão de votação. O mapa pode incluir, inclusive, áreas de influência do ministro que, às vezes ultrapassa o seu partido. Este é o caso, por exemplo, de Sarney Filho, que, no Maranhão, tem ascendência sobre outras legendas que não são a que ele representa.

PUBLICIDADE

Para ajudar na presença em Brasília, Temer está pensando em adiar a visita que faria na quinta-feira ao porto de Suape, em Pernambuco. O presidente convocou para esta terça-feira, 25, um reunião-almoço com os governadores. No encontro, além de discussão de situação dos Estados, Temer vai pedir ajuda a eles com suas bancadas na Câmara e no Senado para aprovação das duas reformas.