Corrupção

Membros da CPI da Petrobras recebem R$ 3,2 mi em doações de investigados na Lava Jato

De 27 deputados que compõem a comissão, 15 receberam doações de empresas que tiveram seus nomes citados na investigação da Polícia Federal

(Fotos Públicas)

SÃO PAULO – Instalada nesta quinta-feira a terceira CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar as denúncias de corrupção na Petrobras (PETR3; PETR4), dos 27 deputados federais titulares, 15 receberam doações de empresas citadas nos documentos da Operação Lava Jato da Polícia Federal. Somadas, as doações de companhias como a OAS, a Odebrecht, a Galvão Engenharia e a UTC Engenharia a esses deputados foram de R$ 3,289 milhões. 

Segundo informações do Congresso em Foco, o maior beneficiado entre os membros da CPI foi o deputado Luiz Sérgio (PT), que recebeu R$ 962 mil dessas empreiteiras. O próprio presidente da CPI, Hugo Motta (PMDB), recebeu o R$ 454 mil. “O fato de ter recebido recursos, como permite a legislação, das empresas não me coloca na condição de advogado delas”, defendeu-se o relator.

Uma questão de ordem do Psol para afastar os parlamentares que receberam doações de investigadas pela Lava Jato foi rejeitada presidente da sessão, deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), que presidiu a sessão por ser o parlamentar mais velho da comissão.

PUBLICIDADE

“Você não pode ser punido por aquilo que a lei prevê. A lei prevê que a doação feita por empresa é legal e tem que ser declarada”, afirmou o deputado Carlos Sampaio do PSDB, um dos receptores de doações.

Na semana que vem, a CPI deve debater o pedido do PT para incluir o período da presidência de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) nas investigações.