Dobradinha

Meirelles aceita convite de Doria para comandar Fazenda e Planejamento no governo de São Paulo

Com isso, governador eleito nomeia o sexto ministro do governo Michel Temer para seu secretariado

SÃO PAULO – Candidato derrotado à presidência nas últimas eleições, Henrique Meirelles (MDB) será o secretário de Fazenda e Planejamento no governo de João Doria (PSDB) à frente do estado de São Paulo. O anúncio deverá ocorrer ainda nesta terça-feira (11), no escritório político do governador eleito.

Com isso, Doria indica o sexto ministro do governo do presidente Michel Temer para seu secretariado. Além de Meirelles, foram indicados Rossieli Soares, na Educação; Gilberto Kassab, na Casa Civil; Sérgio Sá Leitão, na Cultura; Alexandre Baldy, nos Transportes Metropolitanos; e Vinícius Limmertz, no Turismo.

A nomeação de Meirelles para o comando da equipe econômica do estado coloca Doria em posição de destaque, desenhando um time para se cacifar como possível sucessor de Jair Bolsonaro (PSL) em 2022.

PUBLICIDADE

Na perspectiva do economista, a nova pasta tem menos exposição do que o posto que ocupou até se lançar candidato à presidência: o Ministério da Fazenda. Um dos objetivos da dobradinha seria a construção de um plano de enxugamento da máquina estadual e um programa de concessões e PPPs.

Perfil

Henrique Meirelles, 72 anos, é goiano de Anápolis. Em 2002, foi eleito deputado federal pelo PSDB, cargo do qual abdicou para comandar o Banco Central de 2003 a novembro de 2010, no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No governo do presidente Michel Temer comandou o Ministério da Fazenda de maio de 2016 a abril de 2018.

Fez parte do movimento estudantil de Goiânia. Cursou Engenharia Civil na Escola Politécnica da USP, em São Paulo, e tem MBA em Administração pelo Instituto Coppead da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Foi presidente mundial do BankBoston, onde ingressou em 1974 e se tornou presidente da instituição no Brasil em 1984. Já fez parte do conselho da Harvard Kennedy School of Government e da Sloan School of Management do MIT (Massachusetts Institute of Technology).

Nas últimas eleições, Meirelles candidatou-se à presidência pelo MDB e encerrou a disputa na sétima posição, com 1.288.950 votos, o equivalente a 1,2% dos votos válidos, em uma campanha que custou mais de R$ 50 milhões de seu próprio patrimônio. Em São Paulo, o economista recebeu 267.725 votos, 1,15% dos votos válidos.

(com Agência Brasil)