“Medidas de austeridade colocam Zona do Euro em perigo”, alerta Tsipras

Líder radical de esquerda busca solução comum para resolver crise e aponta Merkel como perigo para estabilidade da região

SÃO PAULO – “Queremos a Grécia dentro da Zona do Euro”, afirmou o líder radical de esquerda grego, Alexis Tsipras, que encantou os eleitores com sua boa aparência e promessa de rasgar o acordo de resgate. Embora defenda a permanência da Grécia no euro, Tsipras enfatiza que medidas de austeridade podem colocar o bloco econômico em perigo. 

Enfurecido com rodadas repetidas de austeridade que cortaram salários e fizeram a taxa de desemprego subir no país, o líder grego ressaltou que “essas medidas de austeridade vão nos levar direto para o inferno e queremos mudar esse caminho”, em entrevista com a rede de notícias internacional CNN nesta quinta-feira (17). 

Pesquisas realizadas depois da inconclusiva eleição de 6 de maio sugerem que o partido radical Syriza está a caminho de superar os consevadores para se tornar o maior partido no Parlamento quando os gregos forem às urnas novamente em 17 de junho. Se eleito, Tsipras afirma que “antes de tudo, vai cancelar as medidas de austeridade no memorando, definido com a Troika – União Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu”. 

PUBLICIDADE

O líder planeja ainda renegociar a dívida  em patamar europeu, encontrando um caminho comum a todos para sair da crise. “Penso que vamos encontrar parceiros, primeiramente nos países do sul da Europa”, afirmou. Ele busca uma “solução comum” para resolver a crise, que não é grega mas sim europeia, destacando que a “madame Merkel” [referindo-se a chanceler alemã, Angela Merkel] coloca a região em grande perigo com suas medidas. 

“Não queremos voltar para o dracma, porque teríamos na Grécia os pobres acumulando moeda local enquanto os ricos comprariam euro”, reforçou. Em relação à vitória presidencial de François Hollande, na França, Tsipras acredita que a situação na Europa vai mudar, salientando um impulso positivo para a nova liderança francesa.