MP

Medida provisória fecha em 23 número de ministérios do governo Temer

Os 23 ministérios incluem os 20 da lista final e os três ligados à presidência (Casa Civil, Secretaria de Governo e Gabinete de Segurança Institucional)

arrow_forwardMais sobre

Primeira medida provisória editada no governo do presidente interino da República, Michel Temer, a MP 726/16 reduz de 32 para 23 o número de ministérios. A decisão foi publicada em uma edição extra do Diário Oficial na quinta-feira (12), após a posse de Temer.

Os 23 ministérios incluem os 20 da lista final e os três ligados à presidência (Casa Civil, Secretaria de Governo e Gabinete de Segurança Institucional).

Pela decisão, ficam extintos os seguintes ministérios: 
– a Secretaria de Portos;
– a Secretaria de Aviação Civil;
– a Secretaria de Comunicação Social;
– a Controladoria-Geral da União (CGU);
– o Ministério da Cultura;
– o Ministério das Comunicações;
– o Ministério do Desenvolvimento Agrário;
– o Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos;
– a Casa Militar da Presidência República.

PUBLICIDADE

Por outro lado, a medida provisória delega as atribuições de órgãos extintos a outras pastas, com as seguintes transformações:

– o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior passa a ser Ministério da Indústria, Comércio e Serviços;
– o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação passa a ser Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações;
– o Ministério da Educação passa a ser Ministério da Educação e Cultura;
– o Ministério do Trabalho e Previdência passa a ser Ministério do Trabalho;
– o Ministério da Justiça passa a ser Ministério da Justiça e Cidadania;
– o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome passa a ser Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário;
– o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão passa a ser Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão;
– o Ministério dos Transportes passa a ser Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil;

A MP 726 cria ainda duas novas pastas: o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle (ex-CGU); e o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (ex-Casa Militar). São criados ainda os respectivos cargos de ministros dessas pastas.

O texto também mantém o status de ministro do chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República e ainda do chefe da Casa Civil.

Cargos extintos
Deixam de existir os cargos dos ministros de alguns ministérios acoplados, como o da Cultura, que se reuniu ao de Educação; o de Portos e o de Aviação Civil, que se reuniram ao de Transportes; ou ainda o das Comunicações, que se reuniu ao de Ciência e Tecnologia. O cargo de ministro das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos também foi extinto, uma vez que este ministério foi acoplado ao da Justiça e Cidadania.

Perdem ainda o status de ministro o advogado-geral da União e o presidente do Banco Central, o que deverá ser confirmado posteriormente por meio de alteração da Constituição.

Lista final
Com as mudanças, a lista final de ministérios ficou assim, excluídas as secretarias da Presidência:

– Agricultura, Pecuária e Abastecimento;
– Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações; 
– Defesa;
– Educação e Cultura;
– Fazenda;
– Indústria, Comércio e Serviços;
– Integração Nacional;
– Justiça e Cidadania;
– Saúde;
– Transparência, Fiscalização e Controle;
– Cidades;
– Relações Exteriores;
– Minas e Energia;
– Desenvolvimento Social e Agrário;
– Esporte;
– Meio Ambiente;
– Planejamento, Desenvolvimento e Gestão;
– Trabalho;
– Turismo;
– dos Transportes, Portos e Aviação Civil.

Tramitação
A MP 726/16 será analisada por uma comissão mista, formada por deputados e senadores. Depois, seguirá para votação nos Plenários da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.