Resposta a polêmicas

Marina Silva: PSB explicará até amanhã uso de avião pela campanha

"No momento oportuno, entre hoje e amanhã, [o PSB] estará dando as explicações à sociedade. Nós queremos que sejam dadas explicações de acordo com a materialidade dos fatos", ressaltou

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Na Bienal do Livro, a candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, afirmou hoje que as explicações sobre a situação legal do avião que transportava Eduardo Campos será dada o mais rapidamente possível, entre hoje e amanhã, segundo informações do G1.

“No momento oportuno, entre hoje e amanhã, [o PSB] estará dando as explicações à sociedade. Nós queremos que sejam dadas explicações de acordo com a materialidade dos fatos e, para termos a materialidade dos fatos, é preciso que se tenha o tempo necessário para que essas informações tenham base legal”, destacou a candidata. 

Pouco antes da resposta de Marina, o vice na chapa da ex-senadora, Beto Albuquerque, respondeu às indagações: “eu prefiro responder pela Marina. Isso é uma responsabilidade nossa, da direção nacional do PSB. Entre hoje e amanhã, eu espero, através do escritório de advocacia que contratamos, poder dar ao Brasil e a vocês todos os esclarecimentos. Estamos juntando as informações para que não deixe qualquer dúvida. Isso será feito entre hoje e amanhã. Esta semana não deve passar sem se fazer as declarações devidas e os esclarecimentos”.

PUBLICIDADE

O uso do jato Cessna Citation 560 XLS, prefixo PRF-AFA por Campos vem causando polêmica nos últimos dias. De acordo com matéria do jornal O Globo deste final de semana, o avião não poderia ter sido usado na campanha do PSB. O jato está registrado na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) em nome da AF Andrade, um grupo de usineiros de Ribeirão Preto (SP).

Uma resolução do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) diz que uma empresa só pode doar um produto ou serviço relacionado a suas atividades fins, mas não há registro de que a AF Andrade atue como empresa de táxi aéreo. Além disso, os gastos com o avião também não foram incluídos na primeira prestação de contas do PSB ao TSE.