Forte concorrente

Marina pode liderar voto “todos contra Dilma” no segundo turno, diz FT

Jornal britânico destaca popularidade de possível candidata pelo PSB após a morte da Campos; a publicação ainda afirma que ela tem poder para tirar os votos de Aécio na corrida presidencial

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O novo cenário eleitoral ainda não está oficialmente definido, mas o mercado já aponta como certa a candidatura de Marina Silva à presidência. O anúncio deve ser feito nos próximos dias, mas a pesquisa eleitoral feita pelo Datafolha mostrou na manhã desta segunda-feira (18) a força de Marina, com um empate técnico contra Dilma em um eventual segundo turno.

A força de Marina como candidata do PSB foi destacada pelo Financial Times antes mesmo da divulgação do Datafolha. Segundo o jornal britânico, a popularidade dela acaba com as esperanças de Dilma ganhar as eleições no primeiro turno. “Em um segundo turno, Marina pode liderar um voto ‘todos contra Dilma'”, completa o editorial do FT.

“Se Marina concorrer, a bandeira de ‘renovação política’ e de ‘terceira via’ terá um grande apelo em um país marcado pela insatisfação com o status quo, como os grandes protestos de rua do ano passado mostraram”, disse ainda o jornal.

Aprenda a investir na bolsa

O editorial ainda explica o novo cenário das eleições deste ano, mostrando o que antes era uma “corrida de dois cavalos”, com Dilma Rousseff e Aécio Neves brigando por um segundo turno, agora se tornou uma briga com três candidatos. O jornal ainda destaca a grande aprovação que Marina tem se comparada com Aécio, o que complica o cenário para o candidato tucano, que agora tem duas grandes rivais na corrida eleitoral.

Em outra matéria apresentada nesta segunda-feira, o Financial Times destacou o poder de Marina para conseguir uma vitória nestas eleições. O jornal citou a frase de Christopher Garman, diretor do Eurasia Group, que afirmou que “a candidata mais perigosa para Dilma sempre foi Marina”.

Nesta manhã, a pesquisa Datafolha apontou Marina Silva com 21% das intenções de voto, em empate técnico com o ex-senador Aécio Neves (PSDB), que tem 20%. Enquanto isso, Dilma manteve a liderança com 36% das intenções de voto. Em um eventual segundo turno, Marina está numericamente à frente da atual presidente, com 47% de apoio, ante 43% de Dilma.

Ainda que a diferença seja de quatro pontos porcentuais, as duas estão tecnicamente empatadas nos limites máximos da margem de erro de 2 pontos porcentuais para cima ou para baixo. Vale lembrar que este foi o primeiro levantamento realizado após a morte de Campos.