Eleições

Marina não deve explicitar hoje seu apoio a Aécio; ex-senadora conversou com FHC ontem

Segundo o jornal O Globo, a ex-senadora não deve explicitar o seu apoio a Aécio Neves no pronunciamento de hoje, mas se colocará contra a candidatura de Dilma

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A candidata à presidência Marina Silva (PSB), que ficou em terceiro lugar na corrida presidencial e não concorrerá ao segundo turno, encontrou-se com Fernando Henrique Cardoso em São Paulo.

De acordo com informações do jornal Folha de S. Paulo, a reunião aconteceu na manhã de quarta-feira (8) no apartamento do ex-presidente. O PSB, à noite, anunciou o apoio ao candidato do PSDB Aécio Neves.

Marina afirmou que anunciaria publicamente a sua posição no segundo turno nesta quinta-feira, em reunião em Brasília com os partidos que compunham a sua coligação na candidatura do Planalto, mas não fez a viagem. Walter Feldman, da Rede, irá representá-la no encontro e o pronunciamento oficial pode ser então adiado.´

PUBLICIDADE

Em nota, a assessoria de imprensa de Marina afirmou que, em entendimento com as lideranças da Coligação Unidos pelo Brasil, Marina não participará da reunião que será promovida hoje, dia 9 de outubro, em Brasília, na sede do PSB, para definir a atuação integrada das legendas na disputa do segundo turno da eleição presidencial.

“Posteriormente, os líderes da Coligação levarão o resultado da reunião a Marina para subsidiar a contribuição da ex-candidata ao debate eleitoral”,destacou a assessoria.

Segundo o jornal O Globo, a ex-senadora não deve explicitar o seu apoio a Aécio Neves no pronunciamento em que fará nesta quinta-feira. Aliados esperam que ela se coloque contra a candidatura de Dilma Rousseff (PT), defendendo que mudanças são necessárias, mas sem citar o candidato. O discurso seria um indicativo para iniciar negociações de um apoio formal. 

A partir da declaração, Marina vai esperar que Aécio tome a iniciativa de um gesto de adesão a pontos de seu programa de governo. 

Ontem, o Rede Sustentabilidade, projeto de partido criado pela ex-senadora, se posicionou após mais de cinco horas de reunião em São Paulo. O partido recomendou que o eleitorado que optou por Marina vote branco, anule o voto ou escolha Aécio Neves, presidenciável do PSDB.