Marina exalta acordo final da COP28 como “conquista”, mas cobra meios de implementação

Ministra afirmou que o Brasil trabalhou para dar concretude aos compromissos firmados no Acordo de Paris

Reuters

Marina Silva, Ministra do Meio Ambiente (foto: Lula Marques/ Agência Brasil)

Publicidade

A ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva, disse, nesta quarta-feira (13), que o acordo final alcançado entre os países na COP28 foi uma “conquista”, mas ponderou que os meios para a implementação dos compromissos feitos ainda são insuficientes e precisam ser estabelecidos na próxima cúpula.

Durante coletiva de imprensa ao final da conferência climática da Organização das Nações Unidas (ONU), em Dubai, Marina também exaltou o alinhamento dos países em torno da meta de manter o aquecimento do planeta em até 1,5°C acima dos níveis pré-industriais, clamando como “o grande ganho” da COP28.

“Uma questão importante é o fato que se estabeleceu aqui uma transição para o fim do uso de combustível fóssil”, disse Marina.

Continua depois da publicidade

“São insuficientes os meios de implementação, ainda não temos clareza sobre uma transição justa em que os países desenvolvidos tomam a dianteira, mas consideramos que temos aqui as bases para avançar algo”, acrescentou.

Nesta quarta, representantes de quase 200 países concordaram na COP28 em começar a reduzir o consumo global de combustíveis fósseis para evitar o pior das mudanças climáticas, um acordo inédito que sinaliza o eventual fim da era do petróleo.

O acordo firmado em Dubai, após duas semanas de árduas negociações, tem o objetivo de enviar um poderoso sinal aos investidores e aos formuladores de políticas de que o mundo está unido em seu desejo de acabar com os combustíveis fósseis, algo que, segundo os cientistas, é a última esperança para evitar a catástrofe climática.

Na coletiva, Marina ainda aproveitou para fazer um balanço da participação do Brasil na cúpula climática, afirmando que o país trabalhou para dar concretude aos compromissos firmados no Acordo de Paris e buscar uma “distribuição equitativa” do que foi acordado neste ano.

Ela indicou que as duas próximas conferências do clima — a COP29, no Azerbaijão, e a COP30, em Belém — serão fundamentais para reunir os recursos necessários à viabilização dos pontos discutidos em Dubai

“Nós precisaremos agora trabalhar muito fortemente para que haja o necessário balanço entre esse balanço geral que foi feito aqui, os meios de implementação na COP29 e as nossas ambições na COP30”, disse.

A ministra também defendeu que o Brasil não perdeu sua liderança ambiental por conta de debates internos sobre a exploração de petróleo na Margem Equatorial ou pela realização de leilões de petróleo na mesma semana da cúpula climática, afirmando que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva continua apoiando os processos de licenciamento e os técnicos ambientais.

“O atual governo não cria nenhum constrangimento para os seus técnicos em relação aos processos de licenciamento.”

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.