Hoje à tarde

Marina deixa pré-sal em 2º plano em programa que será apresentado hoje; confira diretrizes

O programa possui 250 páginas e será apresentado com a participação de principais líderes do PSB e da Rede; candidata do PSB quer uso de fontes alternativas de energia

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O programa de governo da candidata à presidência da república pelo PSB, Marina Silva, será apresentado hoje às 14h (horário de Brasília) em São Paulo. Dentre as propostas apresentadas por ela, há poucas alterações em relação ao programa de Eduardo Campos, morto no último dia 13 de agosto em um trágio acidente aéreo.

O programa possui 250 páginas e será apresentado com a participação de principais líderes do PSB e da Rede. Ele foi escrito com a colaboração de intelectuais e coordenado pela representante da Rede, Neca Setubal, e do PSB, Maurício Rands.

Marina e Beto [Albuquerque, candidata a vice na chapa da candidata] receberão dirigentes de todos os partidos da aliança, especialistas e colaboradores que contribuíram na construção da proposta, além de militantes e simpatizantes da candidatura, em um grande ato para celebrar a consolidação de um projeto construído pelo diálogo com a sociedade e que traduz as principais preocupações da população brasileira, oferecendo soluções para os problemas do Brasil com a perspectiva de abrir um novo ciclo de desenvolvimento econômico, com a manutenção e o aprofundamento das conquistas sociais e políticas dos brasileiros”, destacou o partido em nota.

PUBLICIDADE

De acordo com o jornal O Globo, Marina pretende reduzir a importância da exploração do petróleo da camada do pré-sal na produção de combustíveis e impulsionar o etanol no País, considerando criar incentivos tributários para o setor. Para o setor de energia elétrica, Marina prevê adotar um sistema com diferentes maneiras para obter energia.

As hidrelétricas em construção serão terminadas, mas novas obras passarão por análise criteriosa antes de serem aprovadas, enquanto o uso de termelétricas terá redução gradual, ao mesmo tempo em que fontes de energia eólica e solar serão prioridade.

Já com relação à política externa, a importância dada ao Mercosul dará lugar ao esforço para a assinatura de acordos comerciais bilaterais, com maiores relações entre União Europeia e EUA. 

Marina também se comprometerá a autonomia do Banco Central, com a implantação das escolas em tempo integral, com o tripé macroeconômico, construção de quatro milhões de moradias populares e investimento de 10% da receita da União na Saúde, destaca o jornal.