Eleições.com

Mais populares nas redes, Doria e Bolsonaro disputam hegemonia do Facebook

Estudo feito pela consultoria Bites avalia atuação dos principais candidatos à presidência nas redes sociais

* ERRATA: Diferentemente do que previamente constava na matéria, a soma de fãs e seguidores do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) é de 1,28 milhão, conforme aponta a própria pesquisa Bites, e como estava descrito na tabela.

SÃO PAULO – Dois nomes cotados para preencher o espaço da direita nas próximas eleições presidenciais, o prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) e o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) disputam a liderança de engajamento nas redes sociais entre os nove nomes avaliados para o pleito. Além dos mais elevados indicativos de interação com o público nas redes ante seus adversários, a dupla hoje conta com mais fãs e seguidores no acumulado de cinco dos mais populares canais do que o candidato mais bem colocado nas pesquisas de intenção de voto, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Um levantamento feito pela consultoria Bites mostra que o líder petista não repete a boa performance das pesquisas eleitorais nas redes sociais. Considerando-se o Indicador de Alcance Social (IAS), criado pelos pesquisadores da agência para medir o volume de fãs e seguidores de marcas ou pessoas em cinco redes sociais, o líder petista apresenta índice acumulado de 3 milhões entre Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e Google Mais. O desempenho é superado com folga por Bolsonaro, com 5,1 milhões de seguidores nessas redes. Contam os pesquisadores que liderança nessa métrica mostra o interesse da opinião pública digital m torno dos candidatos ao Palácio do Planalto.

PUBLICIDADE

Atrás do parlamentar, também superando o desempenho de Lula, aparecem a ex-senadora Marina Silva (Rede), com 4,1 milhões de fãs e seguidores, e Doria, com 3,2 milhões. Atrás do ex-presidente, estão o governador de São Paulo Geraldo Alckmin (1,7 milhão), os senadores Álvaro Dias (PODE-PR, 1,29 milhão) e Ronaldo Caiado (DEM-GO, 1,28 milhão), o ex-governador Ciro Gomes (PDT-CE, 283 mil) e o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ, 85 mil).

A tabela abaixo mostra o desempenho de cada um dos candidatos a partir do IAS:

CANDIDATOPARTIDOÍNDICE (em milhões de fãs e seguidores)
Jair BolsonaroPSC5,10
Marina SilvaREDE4,10
João DoriaPSDB3,20
LulaPT3,00
Geraldo AlckminPSDB1,70
Álvaro DiasPODE1,29
Ronaldo CaiadoDEM1,28
Ciro GomesPDT0,283
Rodrigo MaiaDEM0,085

O cenário apresenta algumas mudanças quando se adota como métrica a taxa de engajamento no Facebook. Levando-se em consideração a soma de compartilhamentos, comentários, curtidas e reações das últimas 50 publicações ocorridas na página oficial dos candidatos até as 18h da última segunda-feira (24), o prefeito de São Paulo lidera o ranking, acompanhado de perto o deputado federal do PSC.

É o que mostra a tabela abaixo:

CANDIDATOPARTIDOINTERAÇÕES (em milhões)
João DoriaPSDB2,09
Jair BolsonaroPSC2,06
LulaPT0,862
Ronaldo CaiadoDEM0,464
Álvaro DiasPODE0,312
Marina SilvaREDE0,188
Geraldo AlckminPSDB0,091
Ciro GomesPDT0,076
Rodrigo MaiaDEM0,059

Nos casos de Doria e Bolsonaro, as publicações com maior reverberação no Facebook foram relacionadas à condenação do ex-presidente Lula a nove anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no âmbito da operação Lava Jato. Ambos fizeram postagens em 12 de julho parabenizando o juiz federal Sérgio Moro. Essas publicações foram as duas que contaram com maior engajamento dentro do universo de 450 posts observados pela Bites no estudo (50 de cada um dos nove possíveis candidatos). Do lado do prefeito, a publicação gerou 335.032 registros de interação até a conclusão do levantamento, enquanto a postagem do deputado federal rendeu 304.949 registros de interação na rede social.

A situação evidencia uma semelhança nas estratégias políticas adotadas pelos dois possíveis candidatos. A ideia de agredir o ex-presidente Lula, polarizando com ele a disputa política, pode render apoio de parcela importante do eleitorado, sobretudo para candidatos que tentam conquistar a simpatia no campo da direita. Embora lidere as pesquisas de intenção de voto, o petista também tem os mais elevados índices de rejeição.

É possível que se observe futuramente um escancaramento na disputa entre Doria e Bolsonaro pelo eleitor da direita e a condição de antítese a Lula. Quem sair vitorioso dessa batalha pode ganhar fôlego na corrida eleitoral.