Pedaladas fiscais

Lula teria proposto ao TCU que contestasse “pedaladas”, diz Folha; Instituto Lula nega

Em nota, Lula nega que tenha proposto a ministro do TCU que contestasse "pedaladas" do governo Dilma; segundo o jornal, de acordo com relatos, o ex-presidente disse que isso daria "um susto"na presidente

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria estimulado pessoalmente o ministro do Tribunal de Contas da União José Múcio Monteiro a questionar as “pedaladas fiscais” do governo Dilma Rousseff, no mesmo momento em que o ex-presidente começou a criticar a condução da gestão da atual presidente publicamente. 

Segundo apurado pelo jornal, Lula disse a Monteiro achar razoável que o órgão pedisse explicações sobre as manobras, que consistem no atraso do pagamento de recursos para bancos públicos de modo a melhorar as contas públicas. O voto do ministro, contestanto o atraso, já estava pronto quando houve a conversa com Lula. E, de acordo com relatos, o ex-presidente disse que isso daria “um susto”na presidente.

Segundo o jornal, só houve uma mudança de posição do ex-presidente quando a corte disse que as contas de Dilma poderiam ser recusadas, o que daria argumentos à oposição para pedir o impeachment.

Aprenda a investir na bolsa

Em nota divulgada no site do Instituto Lula, o ex-presidente negou veemente o conteúdo da notícia. 

“Assim como algumas pessoas são maníacas por impetrar Habeas Corpus à revelia e contra a vontade das pessoas, a Folha de S.Paulo tem a estranha mania de sem nenhuma procuração ou comprovação, atribuir declarações ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a partir de fontes anônimas. O jornal nos procurou na sexta-feira (26) com uma informação incorreta. Respondemos que se tratava de invenção e de que ‘o ex-presidente repudia e lamenta a reiterada prática do jornal Folha de S. Paulo de lhe atribuir afirmações a partir de supostas fontes anônimas, dando guarida e publicidade a todo o tipo de especulação'”, afirmou o instituto.