Eleições

Lula será a “arma” de Dilma Rousseff para conseguir reverter situação em São Paulo

Ex-presidente deve fazer uma reunião na quinta-feira para animar os militantes a irem para as ruas, tentando pelo menos amenizar o dano que o PT teve no 1º turno

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Considerado um dos estados cruciais para o resultado positivo obtido por Aécio Neves (PSDB) no último domingo, colaborando para sua ida ao segundo turno, São Paulo será um dos focos da campanha do PT para conseguir a reeleição de Dilma Rousseff, e para isso o partido conta com uma “arma”, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Já na quinta-feira (9), Lula deve realizar uma reunião com dirigentes de todas as cidades do estado, além de deputados federais, estaduais, senadores e outros nomes que possam ajudar a puxar votos para Dilma. Segundo a Folha de S. Paulo, a campanha da petista acredita ser difícil vencer no estado, mas o projeto agora é tentar pelo menos reduzir os danos e conquistar votos para conseguir segurar uma diferença de votos menor contra Aécio.

De acordo com o jornal, o ex-presidente deve distribuir uma bronca aos correligionários, tentando animar os militantes a irem para as ruas de São Paulo para atingir o objetivo. Vale destacar que não só Aécio venceu no estado, como o governo é do PSDB nos últimos 20 anos. No estado, Geraldo Alckmin (PSDB) foi reeleito governador, enquanto o candidato do PT, Alexandre Padilha, ficou apenas na terceira colocação, atrás de Paulo Skaf (PMDB).

Aprenda a investir na bolsa

Além disso, em São Bernardo do Campo, no Grande ABC – origem de Lula e do prefeito Luiz Marinho, coordenador da campanha da Dilma em São Paulo -, a petista também não conseguiu vencer, após superar José Serra em 2010.

A derrota não se deu apenas no governo, já que o partido perdeu uma cadeira no Senado, oito vagas de deputados estaduais e seis de deputados federais. O pensamento é que a estratégia de “desconstrução” de Marina acabou tendo um efeito não imaginado, aumentando os votos no PSDB em todo o estado, mesmo em regiões tradicionalmente petistas, como São Bernardo do Campo.