Ajuda do padrinho

Lula: “Não tem ninguém com a qualificação da Dilma para presidir esse País”

Em comício em São Paulo, ele ainda fez críticas à imprensa, afirmando que hoje os jornais são empresas terceirizadas

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em comício realizado nesta segunda-feira (29) na zona sul de São Paulo, o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, fez críticas à imprensa. “A imprensa sempre foi conservadora, mas o dono de jornal antes apitava, hoje não tem mais dono, são empresas terceirizadas”, afirmou. 

Ele também afirmou que uma mulher, nordestina, vai votar na Dilma Rousseff porque se tem um lado. “Aqui tem muita gente que trabalhou nas fábricas em Santo Amaro quando eu era do sindicato. Tem muita gente que lembra o que era esse País antes”. 

“É este povo, que a elite não acredita, que elegeu pela 1ª vez uma mulher presidente da república. É este povo, que a elite não acredita, que votou em um operário, em, um candidato sem experiência para prefeito [Fernando Haddad] e em Luiza Erundina em 1988”, afirmou. 

Aprenda a investir na bolsa

Falando à Dilma, o ex-presidente afirmou que este povo não vai faltar a ela e vai “elegê-la presidenta da república”. “Escolher presidenta da república não é um voto qualquer, é cuidar de uma família com 200 milhões. Eu fui presidente e falo sem medo de errar. Não tem ninguém com a qualificação da Dilma para presidir esse País”. 

Sobre o candidato ao governo do estado, Alexandre Padilha, que está atrás nas intenções de voto, Lula questionou “por que tem gente que fala tanto de mudança e vota no [Geraldo] Alckmin [atual governador pelo PSDB]. O PT fez uma revolução em várias cidades, estados pequenos como Sergipe. Se o PT governar o estado de São Paulo, haverá uma revolução no maior estado do País”. 

Com uma camisa de outra cor, Lula afirmou ter esquecido de sua camisa vermelha, para dizer que ficou nervoso ao saber que “em São Paulo tinha gente que estava sendo agressiva com gente que usava camisa e bandeira do PT”. 

“Eu queria dizer uma coisa para vocês, é importante a gente dizer para os que não gostam da gente, que não estão satisfeitos com os pobres vivendo melhor e querem que se volte a viver como 12 anos atrás. Tem que botar camisa vermelha e fazer a Dilma ser a candidata mais votada do estado de São Paulo. Vamos fazer Dilma ser a candidata mais votada do estado de São Paulo. Vamos eleger Dilma, [o candidato ao Senado] Eduardo Suplicy e Padilha”, concluiu.