Segundo colunista

Lula indica como testemunha advogado que acusa amigo de Moro de interferir na Lava Jato

As informações são da jornalista Mônica Bergamo, colunista do jornal Folha de S. Paulo

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentaram, nesta terça-feira (29), requerimento “urgente” ao juiz federal Sérgio Moro pedindo a substituição de uma testemunha de defesa do petista que deporia amanhã, pelo advogado Rodrigo Tacla Duran, que já trabalhou para a Odebrecht. As informações são da jornalista Mônica Bergamo, colunista do jornal Folha de S. Paulo.

No pedido, os advogados citam reportagens de autoria da própria colunista, que contam que Duran escreve um livro em que acusa o advogado Carlos Zucolotto Junior, amigo e padrinho de casamento de Moro, de tentar interferir junto à força-tarefa da operação Lava Jato para melhorar um acordo de delação premiada. Em troca, Zucolotto receberia dinheiro via caixa dois para distribuir a pessoas que colaborariam com o processo.

Na ocasião, o juiz Moro afirmou, em nota, ser “lamentável que a palavra de um acusado foragido da Justiça brasileira seja utilizada para levantar suspeitas infundadas sobre a atuação da Justiça”. Tacla Duran atualmente encontra-se na Espanha, país em que tem cidadania. O advogado chegou a ter prisão decretada por Moro e ser detido no país europeu no fim do ano passado, mas foi solto um mês depois. A Espanha negou extradição para o Brasil.

Aprenda a investir na bolsa