Política

Lula fala em “loucura” e “insanidade” de Cunha sobre processo de impeachment

"Me sinto indignado com o que estão fazendo com o país. A presidente está fazendo um esforço incomensurável para fazer reformas", disse o ex-presidente

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, após realizar uma reunião com o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), disse nesta quinta-feira (3) que a “insanidade” e “loucura” do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não podem prevalecer no debate sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff. O petista ainda se disse indignado que Cunha tenha acatado o pedido.

“Me sinto indignado com o que estão fazendo com o país. A presidente está fazendo um esforço incomensurável para fazer reformas. Mas o presidente da Câmara me parece que tomou a decisão de não se preocupar com o Brasil. As reformas estão demorando demais. O brasileiro está ansioso para que a economia volte a crescer”, disse Lula, em entrevista coletiva.

O ex-presidente afirmou que Cunha tomou a decisão apenas para se vingar do governo, após o PT decidir votar a favor da abertura do processo no Conselho de Ética contra o peemedebista. Lula ainda disse que não acredita na versão do presidente da Câmara de que Dilma teria negociado votos para apoio da criação da CPMF.

PUBLICIDADE

“O impeachment não tem nenhuma sustentação legal. Parecia que o país estava andando para a normalidade. No dia em que a presidente aprova a meta fiscal, ela recebe como prêmio um gesto de insanidade como esse. Não podemos permitir que a insanidade de Cunha prevaleça. […] Não podemos subordinar o país inteiro a uma visão corporativa, pessoal e de vingança do presidente da Câmara”, disse o ex-presidente.

“O país precisa voltar a crescer, e as reformas precisam passar no Congresso. Se não vamos esperar passar o Natal, o Carnaval… Qual será o clima político? Qual empresário vai querer investir no país”, declarou. O ex-presidente também criticou a oposição e afirmou que o PSDB “está há um ano fazendo oposição sistemática”.