Lula exige investigação sobre excessos da Polícia Federal na Operação Navalha

Parlamentares questionam prisões sem base jurídica, uso de algemas e vazamento de informações sobre a operação

SÃO PAULO – A pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Ministério da Justiça irá investigar se a Polícia Federal (PF) cometeu excessos na execução da Operação Navalha. O assunto foi colocado em pauta pela base do governo durante a reunião do conselho político nesta quinta-feira (24).

Os abusos apontados pelos parlamentares vão desde prisões sem base jurídica ao uso desnecessário de força, como utilizar algemas. Walfrido Moraes Guia, ministro das Relações Internacionais, ressaltou que o fato de a PF ter supostamente cometido excessos na realização da operação não desqualifica o conteúdo da ação.

A Operação Navalha foi responsável pela desartiulação de um esquema de fraudes de licitações públicas para obras, como as do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Vazamento de informações

PUBLICIDADE

Outro assunto que será investigado pelo Ministério da Justiça é o vazamento de informações do inquérito sigiloso da PF sobre a operação. O presidente da Câmara Arlindo Chinaglia (PT) afirmou que a imagem de um homem público é impossível de ser recuperada após ser envolvida em um escândalo público.

Tal afirmação refere-se ao ministro Gilmar Mendes do Superior Tribunal Federal (STF), que teve seu nome envolvido de forma errada no escândalo através de uma gravação que vazou da PF, pois na realidade o interlocutor da fonte que foi publicada era apenas um homônimo do ministro.

Chinaglia afirmou que enviou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) um pedido para que a Câmara tenha acesso ao inquérito da PF sobre a Operação Navalha, para que ele verifique a suposta lista de 40 nomes que teriam participado do esquema de corrupção.