Expert

Lula estará no 2º turno se puder competir – e isso trará emoção ao mercado -, diz Stuhlberger

E esse é um dos motivos para que um dos maiores gestores do Brasil esteja cauteloso com o Brasil, conforme ele destacou na Expert 2017

SÃO PAULO – Sem grandes convicções para se posicionar no atual cenário brasileiro, o gestor do mais bem-sucedido hedge fund do Brasil, Luis Stuhlberger, tem duas grandes posições na Verde Asset. NTN-Bs de prazos mais curtos e que pagam acima de 5,5%, de olho em uma taxa de juro real de equilíbrio de cerca de 4%, além de manter a aposta na desvalorização da moeda chinesa.

Um dos motivos para essas decisões é a maior cautela com o ambiente brasileiro. O cenário político é obscuro e as eleições de 2018 ainda estão longe de acontecer, mas Stuhlberger já está de olho em alguns sinais que o pleito do ano que vem poderá dar, conforme ressaltou em painel da Expert 2017, evento realizado pela XP Investimentos.

“É muito difícil fazer prognóstico nessa altura do campeonato. (…) Mas o que vemos é que, se, Lula puder competir, é claro que estará no segundo turno”, afirma o gestor, traçando um paralelo com 1989 para destacar a provável volatilidade e emoção que o mercado pode ter no ano que vem. Stuhlberger lembra que, nas primeiras eleições diretas após a redemocratização, Fernando Collor estava bem na frente nas pesquisas, enquanto havia três ou quatro com o mesmo patamar de intenção de votos, algo que pode se repetir ano que vem, mas com Lula na frente e uma incógnita sobre o segundo turno. “Por isso a questão da elegibilidade do Lula, que pode se definir nos próximos 4 meses, deve levar a alguma volatilidade, algum tipo de emoção. Mas também pode não ter [a candidatura]. Neste sentido, o fundo tem posições muito leves uma vez que não há convicção grande para haver um posicionamento direcional em função da eleição”, aponta.

PUBLICIDADE

As duas apostas “leves’ do fundo são, como já destacado acima, em NTN-Bs e contra a moeda chinesa. Sobre as NTNB-s, Stuhlberger aponta que essa não é uma aposta direcional, mas uma alocação básica de recursos ao ressaltar que o juro real do Brasil de equilíbrio hoje está muito abaixo do que já esteve desde a criação do plano real. “Com a economia crescendo pouco, com a inflação de serviços cedendo e com o desemprego no nível que está, com alguma confiabilidade fiscal e do Banco Central, o juro real de equilíbrio pode ir para 4% sem reformas. Não estou falando de um governo caótico, mas de alguma coisa razoável, factível”, aponta gestor do Verde.

Sobre a aposta contra a moeda chinesa, Stuhlberger ressalta que ela não acontece por conta de uma percepção de que a economia do país não esteja indo bem, mas por que é um ativo que até o próprio governo gostaria de desvalorizar e em meio a uma situação de expansão fiscal desmesurada como nunca foi feita antes na história da China.

Conforme destacado em suas últimas cartas, Stuhlberger vem recorrentemente diminuindo a sua exposição em ações brasileiras. Porém, o que poderia fazê-lo mudar de ideia? Atualmente, o gestor ressalta que a posição dos investidores institucionais e das pessoas físicas em bolsa é muito baixo, enquanto os estrangeiros estão comprando. Em um cenário de um juro nominal entre 7% e 9% e com um bom presidente para fazer as reformas a partir de 2019, levando em conta ainda um ambiente em que as empresas listadas em bolsa estão sendo mais “disputadas” dado o baixo número de IPOs dos últimos anos, o volume tanto dos institucionais quanto dos PFs na bolsa pode crescer muito e influenciar as ações em bolsa, aponta ele.