Lula diz que R$ 300 bilhões é “alento” para o Brasil sair de patamar atual e dar salto de qualidade

"É muito importante para o Brasil que a gente volte a ter uma política industrial inovadora", afirmou presidente

Estadão Conteúdo

Publicidade

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), afirmou nesta segunda-feira (22) que os R$ 300 bilhões disponíveis para financiamento na nova política industrial do Brasil será um “alento” para que o país saia do patamar em que se encontra e dê um “salto de qualidade”. Ele cobrou dos ministros um acompanhamento para garantir o cumprimento das ações previstas.

A “Nova Indústria Brasil” foi apresentada hoje, durante evento no Palácio do Planalto, e vai disponibilizar até R$ 300 bilhões em financiamentos até 2026. Cerca de um terço do recurso (R$ 106 bilhões) já havia sido anunciada na primeira reunião do Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial (CNDI), em julho de 2023, e o governo anunciou mais R$ 194 bilhões ao programa, provenientes de diferentes fontes de recursos.

Leia também:
Não há como reerguer a indústria sem nova relação entre Estado e mercado, diz Mercadante

Continua depois da publicidade

Em seu discurso, o presidente ressaltou que é necessária uma mudança na postura do Brasil perante o mercado externo. “Uma coisa que o ministro Rui Costa disse e que tem que se levar em conta é que, muitas vezes, para que o Brasil se torne competitivo, o Brasil tem que financiar alguma das coisas que quer exportar. A gente não pode agir como sempre agiu, que todo mundo é obrigado a gostar do Brasil, que todo mundo vai comprar do Brasil, sem que a gente cumpra nossas obrigações. O debate a nível de mercado internacional é muito competitivo, é uma guerra.”

Lula cobrou os ministros por uma continuidade de estudos do ato desta segunda. “É muito importante para o Brasil que a gente volte a ter uma política industrial inovadora, totalmente digitalizada como o mundo exige hoje, e que a gente possa superar, de uma vez por todas, esse problema de o Brasil nunca ser um país definitivamente grande e desenvolvido. Estamos sempre na beira mas nunca chegamos lá.”

O chefe do Executivo afirmou que, antigamente, o problema do país era o dinheiro, mas agora é possível resolver os gargalos com mais facilidade, com os recursos disponíveis para financiamento. “Se dinheiro não é problema, então precisamos resolver as coisas com muito mais facilidade”, disse. “Nós precisamos também fazer com que os empresários brasileiros acreditem um pouco no Brasil.”

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Tópicos relacionados