Lula: Dívida do Brasil é troco, de tão pequena se comparada a de outros países

"Vamos parar de olhar a dívida pública brasileira com o medo que se olha", disse o presidente

Estadão Conteúdo

Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) (Foto: Ricardo Stuckert/PR)
Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) (Foto: Ricardo Stuckert/PR)

Publicidade

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, defendeu nesta quinta-feira (27), a ampliação dos investimentos públicos, desde que os gastos permitam o aumento de patrimônio. “Vamos parar de olhar a dívida pública brasileira com o medo que se olha. Dívida do Brasil não é dívida, é troco, de tão pequena que é se comparada a de outros países”, disse.

“O que falta para nós é um pouco de senso de responsabilidade e de amor por esse país. Como vamos fazer empresários investir se o mercado não reage? O mercado geral, que envolve 203 milhões de habitantes”, afirmou ao citar a necessidade de garantir poder de compra e disponibilidade de crédito.

Segundo o presidente, o desafio para o crédito tem sido percebido nos últimos 15 meses com dados que apontam maior volume de empréstimos por parte dos bancos públicos na comparação com os privados. “Possivelmente porque alguns bancos estão comprando títulos do governo, porque interessa comprar com a taxa de juros em 10,5%”, disse.

Continua depois da publicidade

As declarações foram dadas durante a 3ª Reunião Plenária do Conselho de Desenvolvimento Econômico Social Sustentável (CDESS), o chamado Conselhão, que reúne ministros do governo, membros do Congresso e representantes de setores do empresariado, movimentos sociais e da sociedade civil.

O presidente defendeu investimentos em educação e disse que é preciso “mudar o conceito e saber que investir em educação é o mais extraordinário investimento”. “Ao invés de saber o quanto custa isso, vamos ver o quanto custou não investir na hora certa”, defendeu.