Comícios

Lula: adversários têm bronca sem explicação de Dilma e deveriam “agradecer a Deus”

Ex-presidente também falou sobre convite da Polícia Federal, que ficou sabendo pela imprensa, avaliando que há motivações eleitorais

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Em discursos recentes, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem defendido a força política de sua sucessora, Dilma Rousseff, e se defendido sobre a divulgação de um convite da Polícia Federal sobre o caso do mensalão. 

A instituição alega que o convite para que ele seja ouvido foi feito em fevereiro e reiterado, mas ele negou ter recebido qualquer comunicação, sabendo do caso somente pela imprensa. E, para ele, a divulgação deste convite da PF “é claramente eleitoral. O que não é comportamento da Polícia Federal”, afirmou o presidente após comício em Santo André (SP).

De acordo com informações de jornais, faz sete meses que a Polícia Federal tenta obter o depoimento do ex-presidente Lula como testemunha no inquérito sobre supostos repasses ilegais da Portugal Telecom ao PT.

As investigações foram abertas em 2012, após novas declarações do publicitário Marcos Valério de Souza, operador do chamado “mensalão”. Valério acusou Lula de intermediar pagamento de R$ 7 milhões ao partido, com o objetivo de pagar dívidas da campanha, de acordo com um depoimento prestado para a Procuradoria Geral da República.

Já em comício em Ceilândia, no entorno de Brasília, Lula defendeu Dilma. O ex-presidente afirmou que não “tem explicação sociológica nem econômica a bronca que eles [adversário] têm da presidente Dilma Rousseff”, de acordo com informações do Valor Econômico

“Eles [os adversários] deveriam se ajoelhar e agradecer a Deus todos os dias, porque quando colocamos dinheiro nas mãos do pobre, o pobre melhorou de vida, mas eles [os adversários] ganharam mais dinheiro”, disse o ex-presidente. “Mesmo assim eles não toleram a presidente Dilma”, completou.