Lula acredita que greve dos servidores do Ibama não afetará progressos no PAC

Grevistas afirmam que governo está pressionando o órgão para acelerar processos de licitações ambientais

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira (14) em Jundiaí, interior de São Paulo, que a greve dos servidores do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) não afetará o andamento das obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

Os grevistas alegam que a criação do Instituto Chico Mendes através de uma MP (Medida Provisória) ressalta uma tentativa do governo de pressionar o órgão a acelerar a concessão das licenças ambientais para o andamento do PAC. O Instituto Chico Mendes iniciou o processo de reestruturação do Ibama e seria responsável pela parte das licitações ambientais.

Lula afirmou que o atraso nas licitações não gera o risco de um novo apagão pelo menos até 2011 e que está satisfeito com o andamento do PAC. A principal causa das discussões acerca dos licenciamentos ambientais são as licitações para as obras das hidrelétricas do Rio Madeira. Lula já cogitou até o uso de energia nuclear como alternativa caso as hidrelétricas não fiquem prontas a tempo.

Associação das Indústrias acha greve um “contra-senso”

Aprenda a investir na bolsa

Para Paulo Godoy, presidente da Abdib (Associação Brasileira de Infra-estrutura e Indústrias de Base), a greve dos servidores do Ibama é um total contra-senso. Em sua opinião, os grevistas deveriam defender uma modernização do processo de licitações ambientais, como investir em treinamento de técnicos e informatização de sistemas.

Segundo Godoy, eles estão defendendo interesses mais corporativos do que da sociedade. Para o presidente da Abdib, o licenciamento ambiental é um dos fatores que mais atrasa o andamento do PAC.