Luiza Erundina melhora, deixa UTI, mas segue internada; quadro de saúde é estável

Na quarta-feira (5), a deputada federal, de 89 anos, teve um mal-estar durante sessão da Comissão de Direitos Humanos da Câmara e foi internada com baixa saturação de oxigênio

Fábio Matos

Luiza Erundina, deputada federal pelo PSOL de São Paulo (Foto: Mário Agra/Câmara dos Deputados)

Publicidade

A deputada federal Luiza Erundina (PSOL-SP), de 89 anos, deixou a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Sírio-Libanês, em Brasília (DF), na qual estava internada desde a noite de quarta-feira (5).

Erundina teve um mal-estar durante sessão da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados e foi internada com baixa saturação de oxigênio. A deputada e ex-prefeita de São Paulo (SP) é a parlamentar mais idosa da atual legislatura.

Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Continua depois da publicidade

Segundo informações divulgadas pela assessoria de imprensa da deputada, ela “passou bem à noite e, na manhã de hoje, saiu da UTI e foi transferida para o quarto”. Os exames apresentaram resultados normais e o quadro de saúde de Erundina é estável.

A deputada do PSOL teve de deixar a sessão da Comissão de Direitos Humanos pouco depois de fazer um pronunciamento, defendendo a aprovação de um projeto de lei apresentado pela deputada Maria do Rosário (PT-RS).

Após fazer um discurso enfático, Erundina se sentiu mal e foi socorrida por deputadas que estavam próximas a ela. A audiência da comissão foi encerrada, assim como a sessão no plenário da Câmara, antes da votação de proposta que institui um cadastro nacional de violência contra a mulher. Uma nova sessão deve ocorrer na terça-feira (11).

Continua depois da publicidade

A trajetória política de Luiza Erundina

Paraibana de Uiraúna (PB), nascida em 30 de novembro de 1934, Luiza Erundina fez carreira política em São Paulo e está em seu sétimo mandato consecutivo como deputada federal pelo estado, eleita sucessivamente desde 1998. Ela também foi vereadora na capital paulista (1983-1986) e deputada estadual (1987-1988).

Em 1988, Erundina foi eleita prefeita de São Paulo pelo Partido dos Trabalhadores (PT) – foi a primeira experiência do partido à frente de uma grande capital brasileira. Ela governou a megalópole até o fim de 1992.

Erundina voltou a disputar a prefeitura de São Paulo em 1996 (terminou em 2º lugar), 2000 (4º) e 2004 (4º). Em 2020, já no PSOL, foi candidata a vice-prefeita da capital paulista na chapa de Guilherme Boulos (PSOL), que chegou ao segundo turno, mas foi derrotado por Bruno Covas (PSDB).

Continua depois da publicidade

Erundina também teve uma curta experiência como ministra de Estado, em 1993, quando ocupou a Secretaria da Administração Federal do governo do então presidente Itamar Franco, depois do impeachment de Fernando Collor de Mello. Ao aceitar o convite de Itamar, ela se indispôs com o PT e, por decisão do Diretório Nacional da legenda, teve seus direitos partidários suspensos por 1 ano.

Além do PT (entre 1980 e 1998), Luiza Erundina fez parte do PSB (1998-2016) e atualmente está no PSOL (desde 2016).

Fábio Matos

Jornalista formado pela Cásper Líbero, é pós-graduado em marketing político e propaganda eleitoral pela USP. Trabalhou no site da ESPN, pelo qual foi à China para cobrir a Olimpíada de Pequim, em 2008. Teve passagens por Metrópoles, O Antagonista, iG e Terra, cobrindo política e economia. Como assessor de imprensa, atuou na Câmara dos Deputados e no Ministério da Cultura. É autor dos livros “Dias: a Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960” e “20 Jogos Eternos do São Paulo”