Corrupção

Lava Jato: US$ 26 milhões de Paulo Roberto Costa serão repatriados da Suíça

Dinheiro será enviado de contas milinárias do ex-diretor da Petrobras no paraíso fiscal segundo informações do Estado de S. Paulo

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A Justiça suíça enviará US$ 26 milhões das contas do ex-diretor da Petrobras (PETR3; PETR4), Paulo Roberto Costa para o Brasil no que é a maior repatriação de ativos da história brasileira. O dinheiro estava congelado desde abril com as investigações da Operação Lava Jato da Polícia Federal. As informações foram divulgadas pelo Estado de S. Paulo.

Ainda segundo a reportagem, os operadores do esquema de desvio de dinheiro da Petrobras para pagamento de propinas a empresários e políticos estão sendo investigados por lavagem de dinheiro na Suíça. A decisão de repatriamento teria saído de uma reunião procuradores brasileiros e o MP suíço em Lausanne.

Ainda não há prazo definido para que o montante chegue ao país, mas a decisão já foi tomada e agora se encontra em “trâmites burocráticos”. 

PUBLICIDADE

O dinheiro ficará bloqueado em uma conta especial que será aberta e administrada por uma instituição pública. Depois de avaliar a origem do dinheiro, os cofres das instituições lesadas serão ressarcidos. Além da Petrobras, outras empresas e instituições podem ter sofrido com os desvios, o que explica a necessidade dessa apuração.

Pela lei suíça, os recursos só podem ser repatriados se o dono da conta for condenado em última instância. Em um caso ocorrido na Alemanha, o país enviou o dinheiro ao procurador que investigava o caso e ele fugiu com o montante. O caso se torna um pouco mais complexo porque a própria polícia da Suíça investiga Paulo Roberto Costa. 

Até hoje, em investigações de contas no exterior, o Brasil já trouxe de volta da Suíça R$ 45 milhões.