Ministro do STF

Lava Jato faz ‘reféns’ para tentar manter apoio da opinião pública, diz Gilmar Mendes à Folha

Ministro do STF negou ainda que exista uma tentativa de neutralizar a Lava Jato

SÃO PAULO – Em entrevista à colunista da Folha de S. Paulo, Mônica Bergamo, o ministro do STF Gilmar Mendes – alvo de pedido de impeachment por decisões como a de libertar José Dirceu –  diz que a Operação Lava Jato tem importância “notória” e fluirá normalmente, mas sem “extravagâncias jurídicas”.

Ele negou que exista uma tentativa de neutralizar a Lava Jato. “Na semana anterior, nós [magistrados da 2ª Turma do STF] julgamos os habeas corpus de [João Cláudio] Genu [ex-tesoureiro do PP] e do [pecuarista José Carlos] Bumlai [ambos foram soltos]. E as posições foram trocadas: o decano Celso de Mello votou com a maioria no caso do Bumlai e Lewandowski, contra”.

Gilmar Mendes afirmou que, na “luta” para ter apoio da opinião pública, a Lava Jato faz de seus presos “reféns” [entre aspas, conforme fez questão de apontar]. “Como tem sido divulgado [por integrantes da Lava Jato], o sucesso da operação dependeria de um grande apoio da opinião pública. Tanto é assim que a toda hora seus agentes estão na mídia, especialmente nas redes sociais, pedindo apoio ao povo e coisas do tipo. 

PUBLICIDADE

É uma tentativa de manter um apoio permanente [à Lava Jato]. E isso obviamente é reforçado com a existência, vamos chamar assim, entre aspas, de reféns. [Os reféns seriam] os presos. Para que [os agentes] possam dizer: ‘Olha, as medidas que tomamos estão sendo efetivas’. Não teria charme nenhum, nesse contexto, esperar pela condenação em segundo grau para o sujeito cumprir a pena. Tudo isso faz parte também de um jogo retórico midiático”, afirmou.