Eleições 2018

Josué Gomes: quem é o empresário que pode ser vice de Ciro ou Alckmin

Com bom relacionamento nos meios empresarial e político, presidente da Coteminas é a bola da vez na corrida eleitoral

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Após frustradas negociações com o deputado Jair Bolsonaro (PSL), o PR confirmou ontem sua adesão ao “centrão”, grupo formado por DEM, PP, PRB e Solidariedade, para negociar em bloco uma aliança para a corrida ao Palácio do Planalto de outubro. O novo grupo, cobiçado pelos pré-candidatos Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT) agora conta com uma bancada de 164 deputados e pode oferecer ao nome escolhido 3 minutos adicionais em cada bloco de 12 minutos e 30 segundos no horário de propaganda eleitoral gratuito no rádio e na televisão.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

O ingresso da nova sigla ao clube passa por um acordo: a indicação do empresário Josué Gomes como candidato a vice-presidente da República nessa coligação, independentemente se o nome escolhido for o de Ciro ou de Alckmin. Apesar das divergências estratégicas e de interesses no atual processo eleitoral, as siglas trabalham para manter a unidade, que lhes garante maior poder de barganha nas negociações com os candidatos e até mesmo no período pós-eleições, de formação de governo.

Aprenda a investir na bolsa

Figura respeitada no meio empresarial, Josué Christiano Gomes da Silva é filho do ex-vice-presidente José Alencar (governo Lula), morto em 2011. Seu pai, décimo primeiro descendente de uma família com 15 filhos, fundou a Companhia de Tecidos Norte de Minas, hoje grupo líder no segmento de cama, mesa e banho das Américas. Na política, foi o nome que trouxe equilíbrio para a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, trabalhando como importante canal de interlocução com o setor empresarial.

Josué Gomes, 54 anos, hoje executivo titular da Coteminas, assumiu a Superintendência Geral da companhia em 1996, cargo ocupado por seu pai desde o início, em 1967. Parte do crescimento da empresa se deu sob a gestão do herdeiro. Hoje, o grupo conta com 15 fábricas no Brasil, cinco nos Estados Unidos, uma na Argentina e uma no México, com um total de mais de 15 mil colaboradores. A Coteminas tem como controladas as indústrias Springs Global e Santanese.

Mas a participação de Josué no meio empresarial não se resume à carreira na Coteminas. O executivo já exerceu cargos de comando em mais de uma dezena de empresas brasileiras. É o que mostra levantamento na plataforma Cruza.Dados:

josue1
Fonte: cruza.dados.org

Na política, Josué é nome frequentemente citado. Para as atuais eleições, passou a ser tratado como figura ideal por diversos candidatos, à esquerda e à direita, para ocupar posto que seu pai ocupou no governo Lula, sobretudo depois de sua migração do MDB (pelo qual disputou ao Senado em 2014 e obteve 3.614.720 votos, 40,18% dos válidos) para o PR, em 6 de abril.

A proximidade com o líder petista estimulou discussões sobre uma possível reedição da chapa composta por seu pai no passado. O empresário também chegou a receber convite de Ciro Gomes. Até mesmo um voo mais alto, para a presidência da República, é vez ou outra especulado entre conterrâneos e correligionários.

PUBLICIDADE

Pesquisa DataPoder360 realizada entre 20 e 22 de junho mostrou que 28% dos mineiros dizem que votariam “com certeza” ou “poderiam votar” em Josué Alencar caso ele dispute a sucessão do presidente Michel Temer. O levantamento também indicou que 18% dos eleitores simpatizantes de Lula em Minas Gerais acham que o petista, caso não seja candidato à presidência, deveria apoiar o empresário. A pesquisa contou com 4.000 entrevistas por telefone em 161 cidades do estado e tem margem de erro máxima de 2 pontos percentuais.

A pesquisa é mais um indicador da força do empresário em seu estado, o que poderia ajudar o candidato escolhido para a aliança com o “centrão”. Em 2014, Josué foi o segundo candidato mais votado para o Senado. Como na ocasião a disputa se deu por apenas uma vaga na casa legislativa, foi eleito o tucano Antonio Anastasia, com 56,73% dos votos válidos.

Durante a campanha, Josué mostrou ampla capacidade de autofinanciamento e bom relacionamento com o meio empresarial. Além de investir R$ 5 milhões de seu patrimônio na própria campanha, o empresário mineiro recebeu doações legais de nomes como Benjamin Steinbruch (R$ 100 mil), presidente da CSN; a família Gerdau Johannpeter (R$ 240 mil) e o falecido Jacks Rabinovich (R$ 100 mil), do grupo Vicunha.

Do lado dos CNPJs, uma doação de R$ 1 milhão da JBS foi repassada pela campanha da então candidata à reeleição Dilma Rousseff à campanha de Josué Gomes. Naquela época, as doações de pessoas jurídicas eram permitidas pela legislação eleitoral. Hoje, apenas doações de pessoas físicas são permitidas.

O bom relacionamento de Josué no meio empresarial e sua própria fortuna (há quatro anos, o empresário tinha R$ 96.067.848,89 em bens declarados) podem ajudar o candidato escolhido.

A importância do vice

A posição de vice em uma chapa presidencial para esta eleição tem peso maior do que se poderia imaginar em princípio, seja para formalizar antes da disputa a participação do “centrão” em um possível futuro governo, seja pela valorização que o cargo ganhou após o segundo impeachment presidencial desde a redemocratização, com a queda de Dilma Rousseff em 2016.

“Dois presidentes sofreram impeachment, então o vice passa a ser peça importante, porque há segmentos que vão olhar para essa perspectiva de poder. O bloco decidiu unido e vai acabar indicando vice já pensando no futuro governo. Como o MDB tende a ter candidatura própria (Henrique Meirelles), esses partidos já vão apoiar alguém no primeiro turno. Se este nome ganhar, terão espaço generoso no próximo governo”, observa Carlos Eduardo Borenstein, analista político da consultoria Arko Advice.

Em uma disputa tão apertada e com tantas candidaturas, o “centrão” passou a ser ator relevante no processo de definição do futuro presidente do País. “Em outras eleições, o principal parceiro ao centro buscado era o MDB. Agora, os presidenciáveis buscam alternativas e o ‘centrão’ valoriza o passe, pensando não apenas na eleição, mas também no futuro governo”, completa o especialista.

PUBLICIDADE

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear