Tensão na Câmara

Jean Wyllys cospe em direção a Jair Bolsonaro após dar o seu voto contra o impeachment

O deputado do PSOL havia condenado Bolsonaro por exaltar o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, que é reconhecido pela Justiça como torturador durante a ditadura militar

SÃO PAULO – O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) cuspiu em direção ao parlamentar Jair Bolsonaro (PSC-RJ) após dar o seu voto contrário à abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, mas errou o seu alvo. TV Câmara não exibiu o momento. 

Enquanto dava o seu voto, o deputado do PSOL condenou Bolsonaro por exaltar o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, que é reconhecido pela Justiça como torturador durante a ditadura militar.

Bolsonaro votou “sim” pela admissibilidade do impeachment. O deputado do PSC falou sobre o incidente: “eu não fiz nada. Ele se virou pra mim e deu uma cusparada. Ele me agrediu sem motivo. Falta de respeito”. Ele disse que não sabe se processará o deputado do PSOL. 

PUBLICIDADE

Em sua página do Facebook, Jean Wyllys disse porque cuspiu em Bolsonaro. Segundo o deputado do PSOL, Bolsonaro o insultou, “gritando ‘veado’, ‘queima-rosca’, ‘boiola’ e outras ofensas homofóbicas e tentou agarrar meu braço violentamente na saída. Eu reagi cuspindo no fascista. Não vou negar e nem me envergonhar disso. É o mínimo que merece um deputado que ‘dedica’ seu voto a favor do golpe ao torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra, ex-chefe do DOI-CODI do II Exército durante a ditadura militar. Não vou me calar e nem vou permitir que esse canalha fascista, machista, homofóbico e golpista me agrida ou me ameace”, afirmou Jean. 


Confira o vídeo:

 Especiais InfoMoney:

Carteira InfoMoney rende 17% no 1º trimestre; 5 novos papéis entraram no portfólio de abril

Trader que perdeu R$ 285.000 com Telebras conta como deu a volta por cima

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa