Japão suspende ajuda humanitária a Mianmar

Governo japonês decidiu cortar a ajuda de 552 milhões de ienes devido à morte de um jornalista que cobria protestos no país do sudeste asiático

SÃO PAULO – O Japão decidiu nesta terça-feira (16) cancelar a ajuda humanitária de 552 milhões de ienes para Mianmar. O governo de Yasuo Fukuda estudava a medida devido à morte de um jornalista japonês enquanto cobria um protesto contra o governo ditatorial do país do sudeste asiático.

Vídeos da morte do jornalista mostram que provavelmente ele foi atingido por membros da força de segurança que reprimiam o protesto.

Ações do Japão

O primeiro-ministro do Japão disse a repórteres que a decisãoo é um sinal para Mianmar de que o governo está negociando com a comunidade internacional uma solução para o problema no país.

PUBLICIDADE

Fukuda também afirmou que o Japão continuará nos programas de ajuda humanitária através da Unicef.

Em Tóquio, um grupo de jornalistas e outras personalidades da mídia fez um abaixo-assinado para protestar contra a morte do jornalista Kenji Nagai, em Mianmar, e exigir uma explicação do governo do país, além da devolução da câmera com a qual Nagai realizava as filmagens.

União Européia e Estados Unidos

A decisão do Japão de cortar a ajuda humanitária para Mianmar aumentou a pressão sobre os Estados Unidos e países da Europa para também endurecerem o tratamento dado ao país asiático.

Na segunda-feira (15), ministros da União Européia se reuniram em Luxemburgo e decidiram impor sanções às importações de metais preciosos de Mianmar, inclusive restrições à entrada de membros do governo na Europa.