Japão: secretário-geral do PLD afirma que eleições só devem ocorrer em 2009

Segundo Hiroyuki Hosada, primeiro-ministro japonês não irá convocar novas eleições no fim deste ano

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O secretário-geral do Partido Liberal-Democrata do Japão, Hiroyuki Hosoda, afirmou, na última sexta-feira (07), que o primeiro-ministro, Taro Aso, não irá dissolver o parlamento para convocar novas eleições no fim deste ano.

Em um programa de televisão, no país asiático, Hosoda afirmou que a probabilidade de Aso convocar as eleições ainda este ano são mínimas, e que acredita que a medida foi adiada para o começo de 2009.

Eleição e crise

A antecipação das eleições no Japão começou a ser cogitada com a renúncia de Yasuo Fukuda ao cargo de primeiro-ministro, no início de setembro, e a escolha de Taro Aso para assumir o seu lugar.

Aprenda a investir na bolsa

Porém, o novo líder político decidiu adiar a dissolução do parlamento para dar prioridade a medidas econômicas contra a crise financeira mundial. Segundo uma pesquisa feita no país recentemente, 57% dos japoneses apóiam essa decisão, contra 33% que acreditam que as eleições deveriam ser antecipadas.