Lava Jato

Janot pede que STF mande caso de Lula e Delcídio para Sérgio Moro

Lula foi denunciado pela PGR (Procuradoria-Geral da República) no início de maio por, segundo a Procuradoria, ter atuado “na compra do silêncio” do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró

SÃO PAULO – O procurador-geral da República Rodrigo Janot pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal) que remeta ao juiz Sérgio Moro, da 13ª VaraFederal de Curitiba, as investigações referentes ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao ex-senador Delcídio do Amaral, segundo informações do Jornal Nacional, da TV Globo.

Lula foi denunciado pela PGR (Procuradoria-Geral da República) no início de maio por, segundo a Procuradoria, ter atuado “na compra do silêncio” do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, a fim de evitar que ele assinasse acordo de delação premiada com a força-tarefa de investigadores da Operação Lava Jato.

Os fatos motivaram a prisão, no ano passado, de Delcídio. A prisão foi embasada por uma gravação apresentada à PGR por Bernardo Cerveró, filho do ex-diretor.

PUBLICIDADE

A PGR aponta que Delcídio e seu ex-chefe de gabinete Diogo Ferreira se juntaram a Lula, ao amigo dele e pecuarista, José Carlos Bumlai, e ao filho dele, Maurício Bumlai para comprar por R$ 250 mil o silêncio de Cerveró. A PGR considerou que o ex-presidente teve papel central no esquema e listou reuniões de Lula e Delcídio durante os períodos de tratativas e pagamentos. 

Segundo o jornal, este é o primeiro pedido da PGR para que uma investigação contra Lula passe para as mãos de Moro. As outras investigações da Lava Jato contra o ex-presidente, que envolvem  o sítio de Atibaia, o triplex em Guarujá e o pedido pra que ele seja incluído no maior inquérito da operação, continuam no STF. Em todos os casos, se houver novos pedidos de Janot, caberá ao ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato na Corte, decidir. 

Em nota, a assessoria de imprensa do Instituto Lula informou que ele esclareceu ao Ministério Público que “são falsas as afirmações do réu confesso Delcídio Amaral”.  “E já respondeu a essa falsa denúncia, perante o Supremo Tribunal Federal, no dia 27 de maio. Lula sempre agiu dentro da lei”, diz a nota.