Investigação

Janot pede ao STF autorização para investigar Dilma, Lula e Cardozo

A investigação tem como base a delação premiada do senador Delcídio Amaral e o imbróglio causado pela tentativa de Dilma indicar Lula para ministro-chefe da Casa Civil

SÃO PAULO – O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal) autorização para iniciar uma investigação contra a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo. 

A investigação tem como base a delação premiada do senador Delcídio Amaral (sem partido – MS) e o imbróglio causado pela tentativa de Dilma indicar Lula para ministro-chefe da Casa Civil.  Em uma das oitivas, o senador acusou a presidente e Lula de terem interesse em nomear, no ano passado, o ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Marcelo Navarro para barrar as investigações da Operação Lava Jato e libertar empreiteiros presos. Na época, Cardozo ocupava o cargo de ministro da Justiça, responsável por indicar informalmente à Presidência da República nomes de possíveis candidatos.

No parecer, Janot diz que a decisão de Dilma de transformar Lula em ministro teve a intenção de “tumultuar” o andamento das investigações ao tentar retirar o caso do ex-presidente das mãos do juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância.

PUBLICIDADE

Outro pedido de inquérito no caso de Lula destaca que o petista tem relação com a tentativa de evitar a delação premiada do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Janot disse que a empreitada envolveu o pecuarista José Carlos Bumlai e seu filho Maurício Bumlai. “Se constatou que Luiz Inácio Lula da Silva, José Carlos Bumlai e Maurício Bumlai atuaram na compra do silêncio de Nestor Cerveró para proteger outros interesses, além daqueles inerentes a Delcídio e André Esteves, dando ensejo ao aditamento da denúncia anteriormente oferecida”. De acordo com Janot, os áudios captados pelo filho de Cerveró, Bernardo, deram “novos contornos” às investigações, e foi possível constatar que Lula, Bumlai e Maurício também atuaram na compra do silêncio de Cerveró “para proteger outros interesses, além daqueles inerentes a Delcídio e a André Esteves”.

Para que a presidente seja formalmente alvo de inquérito no STF, o procedimento ainda precisa ser autorizado pelo ministro Teori Zavascki.

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, divulgou nota dizendo que as declarações do  senador Delcídio do Amaral são “levianas e mentirosas”. Para Cardozo, “a abertura de inquérito irá demonstrar apenas que o senador, mais uma vez, faltou com a verdade, como aliás já anteriormente havia feito quando mencionou ministros do Supremo Tribunal Federal na gravação que ensejou a sua prisão preventiva”.

Cardozo também lamentou que, “mais uma vez, um inquérito sigiloso tenha sido objeto de vazamento antes mesmo que quaisquer investigações pudessem ser feitas em relação às inverdades contidas na delação premiada do Senador”.

O Instituto Lula disse, em nota, na época da divulgação da delação do senador Delcídio do Amaral, que o ex-presidente jamais participou direta ou indiretamente de qualquer ilegalidade e que tem havido “jogo de vazamentos ilegais, acusações sem provas e denúncias sem fundamentos”.

(Com Agência Brasil)