Radar político

Janot de olho em Temer, protesto contra Meirelles e “novela” PSDB: as 6 notícias políticas de hoje

Enquanto Temer já se prepara para o pós-TSE, o PSDB segue dividido sobre apoiar o governo, mas parece decidido em seguir com as reformas

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Com a expectativa de um fim no julgamento da chapa Dilma-Temer nesta sexta-feira (9), o mercado já começa a voltar suas atenções para os próximos passos e o noticiário político de hoje tem uma série de novidades.

Entre os destaques, o PSDB segue em uma briga interna sobre um possível desembarque do governo, enquanto o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures – aquele da mala – prestou depoimento à Polícia Federal.

Confira as principais notícias políticas desta sexta:

Aprenda a investir na bolsa

Temer na mira da PGR
O presidente Michel Temer e seus aliados já parecem considerar ganha a batalha no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com um placar de 4×3 contra sua cassação. Mas agora o peemedebista já se prepara para uma nova batalha: a provável denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Segundo a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, aliados de Janot afirmam que o Ministério Público Federal está focado em construir uma denúncia consistente o suficiente para acusar o presidente de atuar como “chefe de organização criminosa”.

Do outro lado, aliados do peemedebista dizem estarem preparados para uma escalada no tom da PGR e se armam para apontar suposta “violência processual” de Janot, criticando seu “rito” e sua “pressa”. Segundo o jornal, para se articular sua defesa, Temer teria decidido adiar a votação das reformas da Previdência e trabalhista (veja mais clicando aqui).

PSDB vai desembarcar?
Enquanto isso, segue a novela sobre a reunião que o PSDB fará para definir se desembarca do governo ou não. Em entrevista para a Folha de S. Paulo, o  senador tucano Ricardo Ferraço (PSDB-ES) disse que a sigla romperá com o governo “mas seguirá votando a favor e liderando as reformas, que não são de Temer, e sim da sociedade”. Em outra reportagem, o jornal destaca que mais de 20 deputados do PSDB assinaram carta endereçada ao presidente da legenda, Tasso Jereissati (CE), com posição contrária à saída dos tucanos do governo.

Após adiar a decisão que ocorreria até hoje, a Folha informa que alguns tucanos querem que a reunião marcada para segunda-feira (12) não seja deliberativa. O jornal disse ainda que a cúpula do partido encomendou pesquisa sobre a permanência de Temer no Planalto. O levantamento, feito na semana passada, com 2.000 pessoas, aponta que 30% são a favor da cassação da chapa pelo TSE.

Janot perde a linha
Na última quarta-feira (7), o jornal O Globo informou que Rodrigo Janot solicitou a Edson Fachin a colocação de microfones de escutas em todos os ambientes do gabinete de Michel Temer e a instalação de grampos nos telefones celulares e fixos do presidente. O ministro teria negado.

PUBLICIDADE

A Folha entrou em contato com o procurador-geral da República para saber se a informação procedia e este saiu do sério. “Você acha que eu sou cretino? Eu tenho cara de cretino de fazer uma coisa dessas? A pergunta me ofende”, disse à coluna de Mônica Bergamo. Fachin, por outro lado, disse apenas “bom trabalho. Bom trabalho”, e desconversou, sorrindo.

Depoimento do “deputado da mala”
Rodrigo Rocha Loures, ex-deputado (PMDB/PR) e ex-assessor especial do presidente Michel Temer, escolheu o silêncio como estratégia em seu primeiro depoimento à Polícia Federal.

O “homem da mala” foi interrogado pela PF, mas preferiu ficar calado. Não respondeu nenhuma pergunta dos federais no inquérito da Operação Patmos, que mira Temer e ele próprio. Loures foi preso sábado passado por ordem do ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal.

Meirelles alvo de protesto
Alguns minutos após o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, iniciar sua participação em um seminário sobre América Latina, em Paris, enfatizando o trabalho das reformas no País, ele foi interrompido por gritos, em português, de uma manifestante da plateia: “Golpista! Golpista! Corrupto! Você tem dinheiro na Suíça!.”

Ela não parou também por alguns minutos até que foi retirada do local por seguranças do evento: “Vai ser derrubado seu governo no Brasil”, continuou, em protesto. Enquanto a manifestante ainda gritava no meio da plateia, Meirelles insistia em continuar seu discurso sobre as reformas, no palco do evento. Ao ser retirada do local, a manifestante se apresentou ao Broadcast como brasileira e disse que seu nome era Josette de Lima.

Meirelles fez sua apresentação em “portunhol”, atendendo a pedidos da organização, já que a maioria dos participantes é de países de língua espanhola. Mesmo antes do episódio, o ministro já consultava periodicamente e escrevia em seu telefone celular.

Caso do avião
A “novela” do avião da JBS usado pelo presidente Michel Temer continua rendendo. Desta vez o jornal O Globo conversou com o piloto daquele voo e ele confirmou a versão dada por Joesley Batista à PGR sobre o empréstimo do Learjet PR-JBS ao político, em janeiro de 2011.

José de Oliveira Cerqueira disse ter entregado pessoalmente a Marcela Temer um buquê de flores em sua chegada à aeronave. “Mandaram entregar as flores no avião. A própria empresa me orientou a informar que quem enviou foi dona Flora”, disse o piloto, em referência à mãe de Joesley. Temer confirma que fez a viagem, mas diz não saber quem era o proprietário da aeronave.

PUBLICIDADE