Mensalão

Itália nega extradição de ex-diretor do BB Henrique Pizzolato, que deve ser solto

De acordo com informações da Procuradoria Geral da República (PGR), os magistrados italianos alegam ter razões para supor que as condições das prisões brasileiras não atendem aos direitos humanos

arrow_forwardMais sobre

A Justiça italiana negou, hoje (28), o pedido de extradição de Henrique Pizzolato, ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil (BBAS3). Pizzolato foi condenado, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a 12 anos e sete meses de prisão, no Brasil, por lavagem de dinheiro e peculato na Ação Penal 470, o processo do mensalão.

De acordo com informações da Procuradoria Geral da República (PGR), os magistrados italianos alegam ter razões para supor que as condições das prisões brasileiras não atendem aos direitos humanos. O resultado divulgado, hoje, seria um resumo da decisão. O processo completo deve ser publicado em 15 dias.

A assessoria da PGR, informou que o governo brasileiro recorrerá da decisão. Em abril deste ano, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao STF e ao Ministério da Justiça (MJ), solicitações de indicação de presídios para os quais Pizzolato poderia ser levado caso a extradição fosse autorizada. O ato atendia a uma solicitação do Ministério Público italiano e do Tribunal de Apelação de Bolonha para assegurar que, ao cumprir pena no Brasil, Pizzolato teria os direitos humanos preservados. A assessoria da PGR destacou que foram indicados três presídios, um deles o da Papuda, no Distrito Federal.

PUBLICIDADE

O julgamento aconteceu na Corte de Apelação de Bolonha. Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo obtidas com o advogado de Pizzolato, Alessandro Sivelli, o ex-diretor do BB deve ser solto já nas próximas horas. “A liberação de Pizzolato depende da expedição do alvará, que deve sair entre hoje á noite e amanhã de manhã”, disse. 

Pizzolato fugiu do Brasil em setembro do ano passado, antes do fim do julgamento do processo do mensalão, e foi preso em fevereiro em Maranello (Itália). Em junho, a corte iniciou o julgamento, mas suspendeu a sessão para solicitar esclarecimentos do governo brasileiro sobre as condições dos presídios nacionais.

(Com Agência Brasil)