RADAR INFOMONEY Por que o mercado "gostou" do aumento na conta de luz? Assista ao programa desta terça

Por que o mercado "gostou" do aumento na conta de luz? Assista ao programa desta terça

investimentos

Intervenção do governo é negativa para bolsa, mas abre oportunidades

Para gestor, a mudança repentina nas regras do setor elétrico é um exemplo disso

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A intervenção do governo em setores da economia e, em alguns casos, diretamente nas empresas, é negativa para o mercado de capitais, mas ao mesmo tempo, abre oportunidades para investimentos. A opinião é do sócio e gestor da Oceana Investimentos, Leonardo Messer.

“Você acaba fazendo diligência, fala com reguladores. Essa é a hora em que, se você consegue fazer uma diligência acima da média, acaba conseguindo criar oportunidades. Mas é muito trabalho de campo, os analistas desses setores têm que trabalhar horas e horas, dias e dias,sem parar para conseguirem ter uma vantagem competitiva”, disse Messer, que participou de entrevista para o podcast da Rio Bravo.

O gestor ressalta que a mudança repentina nas regras do setor elétrico é um exemplo disso. “A gente conseguiu ganhar dinheiro esse ano [em 2012] vendido no setor elétrico. Você tem sempre os dois lados da moeda, mas sem dúvida o que traz é muito trabalho para os gestores e analistas quando as coisas mudam de forma muito repentina”, continua.

Aprenda a investir na bolsa

O gestor da Pollux Capital, Rodrigo Fonseca, que também participou da entrevista, concorda. Segundo ele, a gestora contratou inclusive uma consultoria política para entender melhor os riscos e oportunidades que este tipo de intervenção pode provocar. “Nos temas que nos interessam, vamos lá pesquisar qual é a cabeça do Ministério da Fazenda sobre o assunto, qual é a cabeça do Ministério da Indústria e Comercio, o que o regulador está falando. Estamos sendo forçados a gastar mais tempo nisso para evitar ter uma desvantagem nesse sistema”, pontua.

Para Fonseca, existe um certo limite para a intervenção do governo. “Eles respeitam algumas áreas. Tem casos em que eles estão sendo bastante cautelosos em não mexer muito com as regras do setor e permitir que ele evolua com o tempo”, diz. Segundo ele, um exemplo disso é o setor de adquirência de cartões. “Eu acho que isso é positivo tentar intervir apenas em áreas onde haja uma ineficiência de mercado, uma falha de competição, mais do que simplesmente dizer ‘olha, tem lucro gordo, vamos entrar diminuindo’, conclui.