MERCADOS AO VIVO Renda Cidadã será apresentado dentro da PEC emergencial e não vai furar o teto de gastos, diz líder do governo na Câmara

Renda Cidadã será apresentado dentro da PEC emergencial e não vai furar o teto de gastos, diz líder do governo na Câmara

Pela honra de Eduardo

Insinuação de que Campos estava envolvido em corrupção da Petrobras é “llação” , diz Marina

A candidata à presidência pelo PSB afirmou que o governo petista precisa explicar a má governança feita na estatal.

SÃO PAULO – Após o nome de Eduardo Campos, ex-presidenciável do PSB que morreu em um trágico acidente de avião no dia 13 de agosto, ter sido mencionado entre os políticos que teriam recebido propina da Petrobras, Marina Silva, candidata à presidência pelo partido e que era companheira da chapa encabeçada por Campos, afirmou que a acusação contra o ex-governador de Pernambuco representava uma “ilação”.

“O fato de haver um investimento da Petrobras em Pernambuco não dá o direito, a quem quer que seja, de colocá-lo (Campos) na lista dos que cometeram irregularidades na Petrobras”, esbravejou Marina, acrescentando que o país está aguardando as investigações das iniciativas na Petrobras que ameaçam o futuro da estatal e do pré-sal.

O nome de Campos teria sido citado nas delações premiadas feitas pelo ex-diretor de abastecimento e refino da estatal, Paulo Roberto Costa, segundo informações da revista Veja.

PUBLICIDADE

A ex-senadora afirmou que o governo petista precisa explicar a má governança feita na Petrobras, que passou de empresa “exitosa e respeitada dentro e fora do país a uma quase falência”.

Além disso, Marina ainda devolveu as críticas que tem recebido da campanha da presidente Dilma Rousseff. De acordo com a petista, se a ex-senadora for eleita, ela dará pouca prioridade às questões do petróleo e poderá privatizar a Petrobras. “Quem está ameaçando a corrupção que está assolando a Petrobras”, concluiu Marina.