Nova ameaça

Inflação ameaça popularidade de Dilma e governo cogita adiar reajuste de combustível

Inflação revelada pelo IPCA foi considerada muito ruim e preocupante e governo pode adiar reajuste previsto em junho para depois das eleições, de acordo com a Folha

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) revelado na última quarta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) aumentou a preocupação do governo ao ser considerado muito “ruim” e “preocupante” dada a reduzida margem de manobra da economia brasileira.

Com isso, de acordo com o jornal Folha de S. Paulo, o ex-presidente Lula e o Palácio do Planalto temem o impacto da inflação elevada na popularidade da presidente Dilma Rousseff no ano em que ela tentará a sua reeleição. 

Caso o resultado do IPCA dos próximos meses continue ruim, o governo já cogita a possibilidade de um prolongamento do ciclo de alta dos juros pelo Banco Central. Além disso, um cenário mais negativo na inflação pode levar o governo a postergar para depois das eleições um reajuste no preço dos combustíveis inicialmente previsto em junho, de acordo com o jornal.

Vale ressaltar que, em entrevista à Bloomberg no início da semana, o vice-presidente da república Michel Temer afirmou que não via espaço para um reajuste de combustíveis acontecer antes do fim das eleições. 

Para segurar os preços, o governo conta com o recuo da taxa cambial, mas a margem de manobra também é estreita nesta área, uma vez que pode prejudicar a indústria e contribuir para aumentar o déficit na balança comercial.