AO VIVO Radar InfoMoney: Bancos disparam na Bolsa com dados de crédito e HSBC saltando no exterior; assista ao programa desta segunda

Radar InfoMoney: Bancos disparam na Bolsa com dados de crédito e HSBC saltando no exterior; assista ao programa desta segunda

Indicada para conselho da Anatel defende adoção de banda larga pública

Para assessora da presidência do Senado, banda larga deve ser usada para informatizar setores como educação e saúde

SÃO PAULO – Indicada para compor o Conselho Diretor da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), a assessora da presidência do Senado, Emília Ribeiro, defendeu a utilização da banda larga como um serviço público.

“Acredito que o momento para o debate é este. Estamos vivendo hoje uma exigência no nosso dia-a-dia de informação com rapidez, e a banda larga está na pauta para ser discutida profundamente”, afirmou.

De acordo com a Agência Brasil, Ribeiro considera que essa é uma política que deve partir do governo e que poderia ser utilizada para informatizar setores como segurança pública, educação e saúde.

Aprovação para o conselho

PUBLICIDADE

O nome da assessora, para compor o conselho da Anatel, foi aprovado após muitas discussões entre os parlamentares. O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) acredita que a ida dela para a Agência serviria para ajudar a aprovar o PGO (Plano Geral de Outorgas), e assim, garantir a fusão das empresas Oi e Brasil Telecom.

Ele também questionou a validade do negócio, iniciado sem que as alterações necessárias na legislação fossem concluídas, e as irregularidades que estão sendo investigadas na fusão.

“Nem discuto se o negócio é bom, porque agora não dá para ser realizado. Se ele foi realizado contra a lei e se tem denúncias gravíssimas de que não foi um negócio republicano, que tem parlamentares recebendo dinheiro, que tem gente próxima a Presidência da República recebendo recursos, como vamos votar isso?”, questionou ele, que acredita que o nome de Ribeiro também deve ser aprovado no Plenário, já que ela tem apoio do governo.

Já o relator da indicação, o senador Sérgio Guerra (PSDB-PE), considerou que o currículo da assessora não é suficiente para o cargo, e afirmou que a indicação dela pelo governo foi precipitada, o que, para ele, revela a pressa da Anatel em aprovar o PGO.

Influência na fusão

Emília, por sua vez, garantiu que sua ida para a Anatel não é decisiva para a fusão de nenhuma empresa. “Este assunto não está dentro da agência, o que ela está tratando hoje é a revisão do Plano Geral de Outorgas e do Plano Geral de Atualização de Regulamentação”, disse.

A assessora também afirmou estar satisfeita com a sua nomeação, que teve 13 votos a favor e cinco contra.