NO AR Como é possível fazer trades começando com apenas R$ 25

Como é possível fazer trades começando com apenas R$ 25

Análise de cenário

Gustavo Franco: mercado não está preocupado se Temer sairá ou não – desde que se respeite uma condição

Ex-presidente do BC destaca expectativa pela manutenção da equipe econômica

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Ex-presidente do Banco Central e estrategista-chefe da gestora Rio Bravo, Gustavo Franco apontou suas percepções sobre a crise política do Brasil e porque os mercados estão reagindo com relativa tranquilidade à turbulência política após a delação dos donos da JBS. 

“Minha crença fundamental nessa crise é de que existe um consenso muito forte de que a economia tem que seguir esse rumo que está determinado por esse governo, com uma equipe econômica parecida ou igual a atual”, destacou Franco, durante o evento Investindo Globalmente, realizado na tarde da última quinta-feira (25) em São Paulo.

De acordo com o ex-presidente do BC, a incerteza econômica reside no apoio congressual às pautas de política econômica que dependem do Congresso, mas há uma maioria parlamentar que vem apoiando muito fortemente essas mudanças. Aliás, na visão de Franco, a pauta econômica é o único ativo desse governo: “não há mais nada  que se possa falar de bom dessa administração que não seja a pauta da economia”.

Aprenda a investir na bolsa

Dessa forma, Franco aponta que o mercado não está preocupado que Michel Temer saia desde que a equipe econômica se mantenha e, no momento, há uma grande chance disso acontecer. Isso porque a maioria que apoia a pauta de reformas  é a mesma que vai escolher o próximo comandante nacional – e ainda sabendo que “o resto do mundo e do Brasil gostariam” que a economia se mantivesse com essa administração. 

“O que é possível fazer daqui por diante é maravilhoso e muito já foi feito, mais até do que muita gente esperava. Ainda mais em condições precárias e com um presidente que passou a apoiar as pautas econômicas como  resultado de um consenso que é muito mais forte do que ele”, ressaltou. 

Ao falar sobre as reformas, Franco ressaltou que não será em um ano de trabalho parlamentar que o Brasil irá resolver os últimos 25 anos de atraso.  “Não estamos revogando a CLT, só estamos fazendo algumas modificações. Na reforma da Previdência também, não vai ser uma reforma definitiva, teremos que fazer outras mudanças. Ela vai ajudar, mas se vier mais ‘aguada’ também não será o fim do mundo”, ressaltou.