Política

Guedes e Maia decidem não esperar aceno de Bolsonaro e assumem comando da Previdência

Segundo reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, acordo envolve compromisso de Maia em colocar a reforma nos trilhos e de Guedes em receber parlamentares

Rodrigo Maia e Paulo Guedes
(Agência Brasil)

SÃO PAULO – No encontro em que foi selada uma trégua para a crise política, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o ministro da Economia, Paulo Guedes, decidiram desistir de esperar e de pressionar o presidente Jair Bolsonaro por uma postura mais ativa na construção de uma base de apoio para aprovar a agenda legislativa do governo.

Segundo reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, os dois acertaram que, juntos, vão assumir o comando da articulação e tocar a reforma da Previdência. De um lado, o deputado negou a articulação de qualquer tipo de “pauta bomba” e se comprometeu a pôr a proposta “nos trilhos”, recuperando o tempo perdido de cerca de duas semanas.

Do outro, o ministro se comprometeu a ampliar sua participação na articulação política e passará a receber grupos de 15 parlamentares para discutir a aprovação da reforma e ouvir demandas dos deputados.

PUBLICIDADE

Desde que foi apresentada pelo governo, há 37 dias, a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) não conseguiu avançar no parlamento. Apenas ontem foi designado um relator para o texto na CCJC (Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania), o deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG). Esta é a primeira etapa da longa tramitação da proposta.

O acordo também envolveu a formação de grupos de trabalho para definir outras pautas da agenda econômica no Congresso. A primeira delas seria a reforma tributária. Outro tema na lista é a PEC do pacto federativo, que retira amarras do orçamento e aumenta a distribuição de recursos para Estados e municípios.

De acordo com a reportagem, pesaram sobre o acordo de paz os apelos de empresários e de lideranças políticas preocupados com os sinais desencontrados dados pelo governo Bolsonaro à sociedade, os rumos da economia e o aumento do nível de incertezas.

Leia também:
– “A menos que Bolsonaro aprenda a governar, seu mandato será curto”, diz Economist
– Bolsonaro e o Congresso: 7 passos da crise política
– Análise: a “boa” reforma previdenciária das Forças Armadas